Mais de 600 estudantes manifestaram-se contra a supremacia branca nos EUA

Mais de 600 ativistas e estudantes manifestaram-se este sábado, em Charlottesville, contra o racismo e a supremacia branca, um ano depois de uma marcha de extrema-direita ter causado três mortos naquela cidade.

"Nós dizemos 'basta' ao racismo. O apoio aos movimentos supremacistas brancos continua. Temos de continuar a reunir-nos e a lutar contra este flagelo", disse à Efe um dos estudantes organizadores da manifestação, na Universidade da Virginia.

A manifestação estava programada no campus Charlottesville, em honra ao antigo Presidente norte-americano Thomas Jefferson (1801-1809), palco no ano passado de um encontro de grupos de extrema-direita. No entanto, as autoridades cercaram o local e instalaram um robusto sistema de segurança para controlar a entrada de pessoas, motivando os estudantes a escolherem outro palco para os protestos.

"Decidimos mudar o local. Não era seguro para nós ou para a nossa comunidade e teria sido uma traição aos nossos ideais. Queriam-nos encerrados numa jaula, mas isso não vai acontecer", disse o mesmo estudante à Efe.

Assim, mais de 600 pessoas, de acordo com as estimativas dos organizadores, marcharam pelo campus da Universidade, empunhando cartazes com mensagens contra a supremacia branca.

No dia 13 de julho do ano passado, pelo menos três pessoas morreram no âmbito de um encontro de grupos de extrema-direita em Charlottesville, no estado norte-americano de Virgínia, segundo fontes oficiais.

Uma pessoa morreu quando um carro atingiu um grupo de pessoas que, segundo testemunhas, se manifestavam contra o encontro de extrema-direita. Os outros dois mortos foram o piloto e o passageiro de um helicóptero que se despenhou nos arredores de Charlottesville, disse à época o governador do estado, Terry McAuliffe.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.