Mais de 75 mil pessoas retiradas das redondezas de vulcão em Bali

O sinal de alerta na ilha indonésia foi elevado para o máximo na sexta-feira após um aumento acentuado da atividade sísmica

Mais de 75 mil pessoas fugiram das zonas em torno do vulcão de Monte Agung, na ilha indonésia de Bali, por receio de uma erupção, informaram hoje as autoridades.

O porta-voz da agência indonésia para a redução de desastres, Sutopo Purwo Nugroho, disse hoje que as pessoas retiradas estão em mais de 370 locais na ilha e os números continuam a aumentar.

A zona de perigo tem 12 quilómetros

Uma série de tremores vindos do vulcão, com cada vez maior frequência, indicam que o magma continua a mover-se na direção da superfície e que uma erupção é possível, disse Nugroho.

Segundo o responsável, mais de 560 sismos vulcânicos foram registados na segunda-feira.

O sinal de alerta devido ao Agung foi elevado para o máximo na sexta-feira, após um aumento acentuado da atividade sísmica.

As autoridades locais dizem não haver perigo imediato para os turistas, mas alguns começaram a sair da ilha, já que uma erupção vai obrigar ao encerramento do aeroporto.

O vulcão entrou em erupção em 1963, matando cerca de 1.100 pessoas

Nessa altura, o Agung expeliu cinza a uma altura até 20 quilómetros e permaneceu ativo por um ano. A lava deslocou-se 7,5 quilómetros e as cinzas chegaram a Jacarta, a cerca de mil quilómetros de distância.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.