Mais de 50 mil subsaarianos em Marrocos à espera de entrar em Espanha

O número é divulgado pelo "El Mundo" e representa a gravidade a que chegou a situação dos imigrantes que tentam chegar à Europa através de Espanha. Na quinta-feira, mais de 600 subsaarianos entraram à força em Ceuta. 132 imigrantes e 22 elementos da Guardia Civil ficaram feridos

No norte de África, à espera de atravessar o estreito de Gibraltar para alcançar a Europa estarão cerca de 50 mil subsaarianos à espera. O número é avançado pelo jornal El Mundo, que cita fontes policiais para descrever a gravidade da situação que se vive atualmente em Marrocos.

"Dispostos a tudo", escreve o jornal, sobre os imigrantes que não páram de chegar ao norte de África. As autoridades avisam que as chegadas podem ser cada vez mais numerosas e as avalanches de imigrantes (ainda) mais difíceis de conter.

Cerca de 800 imigrantes tentaram passar a vedação e entrar na cidade de Ceuta. Alguns usaram cal viva, lança chamas caseiros, excrementos, pedras e paus contra a polícia

Exemplo disso mesmo foi o que conteceu na quinta-feira-feira quando mais de 600 imigrantes da África subsaariana entraram em Ceuta depois de saltarem a vedação da zona fronteiriça que separa a cidade autónoma de Marrocos, segundo fontes da Guarda Civil. 15 elementos da polícia espanhola e 132 imigrantes ficaram feridos.

De acordo com a Guardia Civil, 800 imigrantes participaram neste ataque e alguns usaram cal viva, lança chamas, excrementos, pedras e paus para exercer atos de violência contra as autoridades. Cinco agentes e 11 imigrantes tiveram de receber assistência no Hospital Universitário de Ceuta.

Os imigrantes entraram na zona fronteira perto da Fazenda Berrocal, onde existe uma maior facilidade para chegar ao perímetro dado que as câmaras instaladas no local não os conseguem detetar, por haver alguns pontos sem visibilidade.

A Guardia Civil revela que 602 imigrantes conseguiram ter acesso à cidade de Ceuta, dos quais 586 estão no Centro de Permanência Temporária para Imigrantes

Por pouco mais de uma hora, os agentes marroquinos e elementos da guarda civil tentaram conter o ataque, mas centenas de imigrantes conseguiram saltar a vedação e entrar em Ceuta.

A Guardia Civil revela que 602 imigrantes conseguiram ter acesso à cidade autónoma de Espanha, dos quais 586 estão no Centro de Permanência Temporária para Imigrantes (CETI), onde os elementos da Cruz Vermelha já haviam sido mobilizados para ajudá-los.

Durante meses não houve entradas em massa através do perímetro de fronteira e a principal via de acesso a Ceuta de Marrocos para os imigrantes era marítima.

Com Lusa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.