Mais de 400 feridos em protestos contra mais impostos nos combustíveis em França

Mais de 400 pessoas ficaram feridas, 14 em estado grave, nos bloqueios organizados em França pelos "coletes amarelos" contra o aumento dos impostos dos combustíveis e a diminuição do poder de compra

Os "coletes amarelos", numa referência aos coletes amarelos que todos os automobilistas devem ter nos automóveis para se tornarem visíveis, iniciaram os protestos no sábado de manhã, em protesto conta a política do presidente acron nos combustíveis.

O novo balanço segue-se a uma noite "agitada em determinados locais" de bloqueios rodoviários,afirmou o ministro do Interior francês, Christophe Castaner.

O incidente mais grave do protesto foi a morte, no sábado, de uma manifestante atropelada nos Alpes franceses.

Cerca de 3500 pessoas mantiveram-se mobilizadas durante a noite em "87 locais diferentes" do país

O número de participantes foi revisto em alta para um total de 287.710 pessoas em 2.034 locais, segundo Castaner.

A polícia interpelou 282 pessoas, incluindo 73 durante a noite, das quais 157 foram detidas.

Segundo o ministro Castaner, registaram-se 409 feridos, dos quais 14 estão em estado grave.

"Vinte e oito polícias, agentes da guarda, motards e bombeiros ficaram feridos, alguns em estado greve", disse o governante, adiantando que a noite passada "foi agitada", com agressões e navalhadas e muito álcool em determinados locais, provocando "comportamentos idiotas que podem resultar em violência".

Os "coletes amarelos" são um movimento cívico à margem de partidos e sindicatos criado espontaneamente nas redes sociais e alimentado pelo descontentamento da classe média-baixa.

O movimento, que alargou os protestos contra a carga fiscal em geral, é um novo obstáculo para o Executivo de Emmanuel Macron, que decidiu aumentar os impostos dos combustíveis para promover a transição energética.

O Governo decretou um aumento dos impostos dos combustíveis de 7,6 cêntimos por litro para o diesel e de 3,9 cêntimos para a gasolina e, a partir de janeiro, serão aplicadas taxas adicionais a estes produtos de 6 e de 3 cêntimos, respetivamente.

Os "coletes amarelos" têm o apoio de 74% da população francesa, segundo uma sondagem publicada na passada sexta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...