Mais de 27 mil pessoas à espera para restaurante para nus

O espaço abrirá em junho e só estará a funcionar durante três meses

Para os entusiastas de comida natural vai abrir um restaurante, em Londres, onde até as pessoas podem estar o mais naturais possível, isto é, sem roupa. A inauguração do The Bunyadi, que só funcionará durante três meses, está marcada para junho, havendo já mais de 27 mil pessoas em lista de espera.

Segundo informação disponibilizada no site do espaço, o The Bunyadi terá apenas alimentação saudável, com talheres comestíveis, e sem recurso a gás ou eletricidade. O espaço será ainda livre de tecnologia, pelo que telemóveis estão proibidos. Finalmente, e essencial, quem se sentir à vontade para isso, pode tirar a túnica que é fornecida à entrada.

Com um espaço para quem quer ficar nu e um outro para quem só quer experimentar a comida mas manter-se vestido, o The Bunyadi é dos mesmos criadores do bar inspirado na série de televisão Breaking Bad, o qual, depois de Londres, vai chegar a Paris e Nova Iorque. Agora, segundo Seb Lyall afirmou ao jornal britânico Daily Mail, o objetivo é oferecer às pessoas a oportunidade de passar uma noite sem impurezas. "A ideia é experienciar a verdadeira libertação", afirmou o responsável, acrescentando que também se pretende que as pessoas se sintam bem na sua própria pele.

O restaurante terá apenas capacidade para 42 pessoas, pelo que, nos três meses em que estará a funcionar, poderá apenas sentar cerca de três mil das mais de 27 mil que estão neste momento em lista de espera.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.