Mais de 25 mil pessoas retiradas devido a possível desmoronamento de barragem

Situação pode afetar cerca de 130 mil pessoas. Construção - destinada a cobrir um quinto das necessidades energéticas do país - começou em 2010 com um custo de 2,6 mil milhões de euros

Mais de 25 mil pessoas foram deslocadas na Colômbia devido à possibilidade de desmoronamento da maior barragem hidroelétrica em construção no país e que pode ameaçar cerca de 130 mil habitantes.

O aviso de evacuação - um "alerta vermelho" -- foi emitido para quatro dos 12 municípios situados em redor da barragem Hidroituango, que ameaça inundar esses municípios.

A construção desta barragem, destinada a cobrir um quinto das necessidades de energia da Colômbia, começou em 2010, com um custo que ascende a três mil milhões de dólares (2,6 mil milhões de euros).

No início de maio, um deslizamento de terra bloqueou um túnel de desvio do rio Cauca, o segundo maior do país e que vai alimentar esta hidroelétrica, levando o lago da barragem a começar a encher, quando o dique ainda não estava concluído.

Desde o início deste deslizamento, 12 de maio, 25.234 pessoas, principalmente agricultores, foram retiradas para áreas seguras.

Em comunicado, a Unidade Nacional de Gestão de Desastres colombiana indicou desconhecer o número total de pessoas que poderão ser deslocadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.