Mais de 200 voos cancelados hoje devido a novo nevão em Paris

Visitas à Torre Eiffel estão interditas até domingo

Mais de 200 voos com partida do aeroporto parisiense de Orly foram cancelados hoje devido a nova queda de neve na região da capital francesa, que levou também as autoridades a interditar as visitas à Torre Eiffel até domingo.

Fonte aeroportuária citada pela France Presse referiu que "os passageiros foram avisados e não apareceram no aeroporto, não criando qualquer dificuldade" e sublinhou que, para já, não estão "previstos para sábado quaisquer cancelamentos" de voos naquele aeroporto localizado a sul de Paris.

No aeroporto internacional de Roissy-Charles de Gaulle, a norte da capital francesa, não se registaram hoje cancelamentos de voos, apenas atrasos de 30 minutos em média, segundo a mesma fonte.

A circulação de comboios e metro não sofreu qualquer alteração e apenas se registou uma "ligeira interrupção" após o meio-dia nos transportes rodoviários de passageiros.

Na Torre Eiffel, a empresa responsável pelo monumento do século XIX decidiu o enceramento a visitas "para garantir a segurança dos visitantes" enquanto funcionários continuam a limpar a neve com pás, dada a impossibilidade do uso de sal porque pode corroer o metal da estrutura e danificar os elevadores.

A neve recomeçou a cair hoje em quase todo o país e as autoridades advertiram para as condições perigosas em aproximadamente um quarto da extensão de França.

No início da semana, a neve provocou grandes engarrafamentos em toda a região da capital francesa.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.