Mais de 18 mil pessoas demitidas na Turquia por decreto-lei

Membros das forças de segurança, professores e académicos entre os afastados

Mais de 18 mil pessoas foram demitidas na Turquia, incluindo vários membros das forças de segurança, professores e académicos, na sequência da publicação de um decreto-lei no boletim oficial turco.

Ao todo, 18.632 pessoas, entre as quais mais de nove mil funcionários da polícia e seis mil das forças armadas turcas, viram o seu nome publicado naquele documento.

Vários meios de comunicação social turcos afirmaram tratar-se do último decreto antes de um provável levantamento do estado de emergência na segunda-feira.

O estado de emergência foi decretado pelo Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, no dia seguinte a tentativa de golpe de Estado, em julho de 2016, e sucessivamente renovado.

Os 'media' turcos afirmaram que este regime de exceção será levantado na segunda-feira, após a tomada de posse de Erdogan, reeleito no cargo a 24 de junho. O fim do estado de emergência foi uma das promessas eleitorais do Presidente turco.

O decreto agora publicado determinou também o encerramento de 12 associações, três jornais e uma cadeia de televisão.

Em contrapartida e, de acordo com o mesmo texto, 148 pessoas, saneadas em anteriores decretos, foram readmitidas na função pública.

A organização não-governamental Human Rights Joint Platform indicou que 112 679 pessoas foram despedidas a 20 de março passado, incluindo mais de oito mil nas forças armadas, cerca de 33 mil do Ministério da Educação e 31 mil do Ministério do Interior. Destas, 22 600 pertenciam à direção-geral de Segurança.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.