Mais de 15 mil pessoas retiradas da zona do vulcão Mayon nas Filipinas

Mais de 15 mil pessoas foram já retiradas da zona do vulcão Mayon, em atividade desde o fim de semana, no leste das Filipinas, enquanto a lava continuou hoje a descer a encosta em redor da cratera.

A lava começou a descer a encosta do monte Mayon na segunda-feira à noite e avançou já até dois quilómetros de distância da cratera do vulcão, situado a cerca de 350 quilómetros a sudeste de Manila, informou a agência sismológica filipinas (Philvolcs).

As autoridades mantêm o nível de alerta em três (crítico), numa escala de cinco, por considerarem que pode ocorrer uma erupção violenta a qualquer momento, apesar de esta também poder demorar dias ou semanas.

Ao todo, 15 410 residentes de localidades situadas na zona de perigo, num raio de sete quilómetros em redor da cratera, foram retirados para refúgios temporais, escolas e pavilhões polidesportivos da região.

O Mayon, que entrou em erupção umas 50 vezes nos últimos cinco séculos, mostrou-se ativo pela primeira vez na tarde de sábado, com a emissão de nuvens cinzentas, que deixaram os arredores cobertos de cinzas. À primeira erupção seguiram-se mais duas no domingo, que causaram 158 despreendimentos de pedra, dando início à retirada da população e à restrição de voos na zona.

A atividade do Mayon notou-se na região com fortes estrondos, chuva de cinzas e um forte odor a ácido sulfúrico, de acordo com testemunhas de residentes nas localidades mais próximas.

A erupção mais forte da história das Filipinas, a segunda maior do mundo no século XX, foi a do Pinatubo, em junho de 1991, que causou 850 mortos e mais de um milhão de afetados, e criou uma capa global de ácido sulfúrico com danos para a atmosfera.

O arquipélago filipino, onde existem 23 vulcões ativos, situa-se numa zona de intensa atividade sísmica, no chamado "Anel de Fogo do Pacífico", que se estende da costa oeste do continente norte-americano até à Nova Zelândia, passando pelo Japão, Filipinas e Indonésia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?