Há mais de 13 milhões de crianças pobres nos EUA

É um aumento de dois milhões, 15 %, nos últimos 30 anos, conclui estudo

Um estudo da fundação Annie E. Casey, divulgado esta terça-feira, indica que 13,5 milhões de crianças são pobres, um aumento de 15 % na população infantil comparativamente a 1990, quando eram 11,5 milhões.

Atualmente há mais crianças - 73 milhões com menos de 18 anos quando há 30 anos eram 64 milhões -, o que significa que a percentagem da população infantil afetada mantém-se nos 18 %.

Um dos principiais fatores para o aumento de crianças pobres é o custo das habitações, o que obriga um "crescente número de famílias a residir em zonas marcadas pela pobreza", diz o estudo.

"Embora a economia tenha crescido, muitas crianças e famílias ficaram para trás", refere o documento, acrescentando que não se conseguiu eliminar as "desigualdades raciais e étnicas".

Estas desigualdades, segundo a fundação, "persistiram nas últimas três décadas", por isso agora é "mais urgente do que nunca que os legisladores e outros lideres a todos os níveis cumpram a sua responsabilidade de responder a estes problemas".

De acordo com o estudo, a diversidade racial e étnica aumentou entre crianças e jovens, razão pela qual os latinos atualmente representam 25% dos menores no país, o dobro do que em 1990, e os asiáticos 6%, comparado aos 3% registados há 30 anos.

Com sede em Baltimore e representação em todo o país, a Fundação Annie E. Casey foi criada em 1948 e dedica-se a "desenvolver um futuro melhor para milhões de crianças em risco" ao nível da educação, da saúde e de situação económico-social.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.