Mais de 100 presos fogem de cadeia de segurança máxima no Brasil

Mais de 30 fugitivos já foram recapturados

Mais de 100 presos fugiram, na madrugada de hoje, da cadeia de segurança máxima Romeu Gonçalves Abrantes, no estado brasileiro de Paraíba, sendo que 33 dos fugitivos já foram recapturados, divulgou a administração da prisão.

A fuga aconteceu depois de vários homens armados com metralhadoras e explosivos se terem dirigido à instituição presidiária e terem destruído o portão de acesso à mesma. A operação para recapturar os prisioneiros ainda está a decorrer, segundo uma nota oficial divulgada pela Secretaria de Segurança e da Defesa Social.

De acordo com relatos de moradores, ouviram-se disparos e uma explosão pouco depois da meia-noite, hora local (04:00 em Lisboa). Houve ainda troca de tiros entre os detidos, polícia militar militares e agentes prisionais.

O secretário de Estado da Administração Penitenciária, Sérgio Fonseca de Souza, afirmou que um inquérito já foi instaurado para apurar o caso.

Ainda de acordo com Sérgio Souza, esta prisão tem capacidade para 660 presos e atualmente albergava cerca de 680.

A imprensa brasileira recorda que em junho deste ano foi descoberto um esquema no qual os chefes do Primeiro Comando da Capital (PPC), a maior organização criminosa do Brasil com cerca de 20 mil membros, planeavam um resgate de dentro de uma prisão de segurança máxima no interior de São Paulo. O plano previa o uso de um camião blindado para derrubar o muro da unidade e libertar seis integrantes da organização criminosa.

Estima-se que seis mil membros do PCC estejam na prisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.