Mais de 100 feridos em incêndio numa fábrica a sul de Manila

Causas do incêndio ainda estão a ser apuradas

Mais de uma centena de pessoas ficaram feridas hoje, nas Filipinas, num incêndio numa fábrica de materiais para casas prefabricadas na província de Cavite, a sul de Manila.

O governador de Cavite, Jesus Crispin Remulla, disse em declarações à CNN Filipinas que o número de feridos chegou aos 104, a maioria por intoxicação, e que, destes, 40 estão internados no hospital.

As autoridades da província não afastam a possibilidade de haver vítimas mortais presas no edifício, já que ainda não foi concluída a contagem dos trabalhadores que se encontravam nas instalações.

Acredita-se que o fogo começou na noite de quarta-feira, na primeira das três fábricas do edifício da Housing Technology Industries (HTI), localizada num complexo industrial para empresas exportadoras na localidade de General Trias, a sul da ilha de Luzón.

Alguns trabalhadores que se encontravam na fábrica disseram à impressa local que se ouviu uma explosão antes de o fogo se propagar por todas as instalações.

A HTI, uma empresa dedicada ao fabrico de materiais domésticos para venda no Japão, empregava 6.000 pessoas nesta fábrica que ocupava seis hectares de terreno.

As autoridades investigam agora as causas exatas do incêndio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.