Maior parte dos cidadãos dos EUA não acredita em governo, políticos e media

O próprio presidente norte-americano Donald Trump é apontado como uma das principais causas da desconfiança dos cidadãos no sistema para 14% dos inquiridos. Mas também os meios de comunicação, responsabilizados por 10%.

Uma maioria de cidadãos dos EUA não tem confiança nos meios de comunicação e são ainda mais numerosos os que desconfiam do governo e da classe política, segundo uma sondagem publicada na segunda-feira.

De acordo com um inquérito do centro de pesquisas Pew, 61% das pessoas questionadas pensam que a comunicação social ignora voluntariamente os assuntos importantes, ao passo que 69% estimam que o governo federal esconde intencionalmente informações importantes.

Cerca de dois terços dos inquiridos afirmam que é difícil separar o verdadeiro do falso nas declarações dos responsáveis políticos. A mesma dificuldade é confessada por quase metade dos inquiridos quando se trata de informações divulgadas nas redes sociais.

Esta perda de confiança repercute-se a nível individual, com 64% dos norte-americanos a dizerem que reduziram a confiança nos seus concidadãos.

"Os norte-americanos pensam que a falta de confiança impede a resolução de problemas urgentes, que isso é provocado pela crise da cultura política e que separa os vizinhos", comentou Lee Rainie, diretor das pesquisas sobre a internet e as tecnologias no Pew.

Uma das causas desta desconfiança no governo é mesmo o próprio Presidente norte-americano, Donald Trump, para 14% dos inquiridos. O multimilionário republicano já produziu, segundo uma base de dados de verificação de informação, mais de 10 mil afirmações erradas. Já os meios de comunicação são responsabilizados por 10% dos inquiridos.

Mas a situação não é desesperada, uma vez que 84% dos sondados pensam que a confiança no governo pode melhorar e 86% que a confiança entre os cidadãos pode ser restaurada.

"Existem ideias para resolver o problema", sublinhou Rainie. "As avançadas vão desde refrear as políticas partidarizadas até à reorientação da comunicação social, criando projetos comunitários onde as pessoas possam trabalhar lado a lado", detalhou.

O Pew interrogou 10 618 pessoas entre 27 de novembro e 10 de dezembro de 2018 e os resultados têm uma margem de erro de 1,5%.

A campanha presidencial dos EUA de 2016 foi perturbada, segundo os serviços de informações norte-americanos, pela Federação Russa, que realizou uma operação em favor de Donald Trump, designadamente através da utilização de redes sociais e da difusão de mentiras.

Exclusivos