Maior número de execuções nos últimos 25 anos

Pena de morte. Apesar da tendência global para a eliminação da sentença capital, Amnistia Internacional revela subida de 54% em 2015

Pelo menos 1 634 pessoas foram executadas em 25 países durante o ano de 2015, de acordo com o relatório anual sobre a pena de morte elaborado pela Amnistia Internacional (AI). Este número representa um aumento de 54% em comparação com o ano anterior (em 2014 registaram-se 1 061 execuções em 22 países) e é o mais alto desde 1989.

Sem contar com a China - segundo a AI continua a ser o país onde mais pessoas são executadas anualmente -, que não entra para as estatísticas devido à inexistência de dados oficiais, 89% das execuções em 2015 foram cumpridas em apenas três países: Irão (pelo menos 977), Paquistão (326) e Arábia Saudita (no mínimo 158). Os Estados Unidos (28) completam o top cinco dos países executores.

Apesar do número recorde de execuções nos últimos 25 anos, o relatório da Amnistia Internacional chama a atenção para o facto de, em 2015, quatro países terem abolido a pena de morte. As Ilhas Fiji, o Madagáscar, o Congo e o Suriname juntaram-se assim aos 98 países abolicionistas. A Mongólia aprovou um novo código penal que vai no mesmo sentido e que entrará em vigor durante o ano de 2016.

Mantém-se assim a tendência global para a eliminação da pena capital. Em 1977, quando a AI iniciou as campanhas contra a pena de morte, eram apenas 16 os países abolicionistas. Hoje são já 102 - mais de metade dos países do mundo. Este número sobe para 140 contabilizando os países que na prática já não aplicam a pena capital, apesar de ela ainda figurar no quadro legal.

As 1 634 execuções contabilizadas em 2015 tornam-se ainda mais negras aos olhos da Amnistia Internacional considerando que algumas das pessoas mortas foram condenadas por "ofensas que não encaixam nos crimes mais graves". Segundo o relatório da AI, a pena capital foi aplicada por delitos relacionados com droga, adultério (na Arábia Saudita e nas Maldivas), apostasia (Arábia Saudita), crimes económicos (China, Coreia do Norte e Vietname) e "insultos ao profeta do Islão" (Irão).

O mesmo documento chama ainda a atenção para o facto de em muitos países as condenações resultarem de julgamentos que não respeitam as leis internacionais. "Em alguns casos esta violação passa pela obtenção de confissões através de tortura, como no Bahrein, China, Irão, Iraque, Coreia do Norte e Arábia Saudita.

Em quatro casos no Irão e em cinco no Paquistão, os executados tinham menos de 18 anos no momento em que cometeram o crime pelo qual foram condenados à morte.

Enforcamento, injeção letal, decapitação e fuzilamento foram os métodos de execução utilizados no ano passado.

Bielorrússia isolada na Europa

A Amnistia Internacional faz ainda questão de sublinhar que os Estados Unidos foram pelo sétimo ano consecutivo o único país no continente americano a praticar a pena de morte. Em 2015 foram 28 as execuções nos EUA, menos sete do que em 2014 e o valor mais baixo desde 1991. Depois de a Pensilvânia ter abolido a pena de morte, são agora 18 os estados norte-americanos abolicionistas.

Na Europa, o único país onde ainda existe a sentença capital é a Bielorrússia. Apesar de não haver registo de execuções em 2015, pelo menos duas pessoas foram condenadas à morte pelo crime de homicídio. No final do ano passado, a nível global, havia pelo menos 20 292 condenados no corredor da morte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.