Maior gangue do Brasil recruta jovens com descontos e campanhas

O maior gangue do Brasil, o PCC (Primeiro Comando da Capital), de São Paulo, quer seduzir novos recrutas através de descontos na mensalidade e instando os membros a convidar amigos, numa tentativa de travar uma guerra com grupos rivais.

Com cerca de 30 mil membros em todo o país, o PCC espera recrutar 30 novos membros por dia para travar uma "guerra" contra gangues rivais, irritados com a rápida expansão, para além de São Paulo, deste grupo, que foi conquistando alguns dos seus elementos.

O grupo criminoso aboliu as taxas de assinatura mensal de membro, no valor de 250 dólares (cerca de 215 euros), revela o jornal norte-americano The Washington Post.

O cartel lançou ainda a campanha "Adote um Irmão", que insta os membros a convidarem pelo menos um amigo para ingressar na organização.

Com conhecimento de negócios ilegais, o grupo adotou técnicas inovadoras de marketing para reforçar os seus números, à medida que as tensões entre gangues atingem um ponto de ebulição.

O PCC tem sido responsável pelo que a polícia chama de "verdadeiro genocídio" dos seus rivais e dos seus próprios membros no Brasil, na última década

A polícia estima que mais de 400 pessoas tenham morrido às mãos do grupo, apenas no segundo semestre de 2017. Segundo a polícia, os líderes do PCC ordenaram que todos os assassinatos fossem fotografados ou filmados.

"A tendência é que eles se expandam porque são os maiores e os mais fortes, então onde estiverem facções médias e menores, eles vão eliminá-las", disse Márcio Sérgio Christino, um procurador que escreveu um livro sobre o PCC.

O PCC foi fundado no início dos anos 90, numa prisão de São Paulo, por prisioneiros em busca de melhor tratamento.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.