Magnata do jogo Steve Wynn demite-se após denúncias de abusos sexuais

Um dos casos, relacionado com reconhecimento de paternidade, culminou num acordo extrajudicial no valor de 7,5 milhões de dólares

O magnata norte-americano dos casinos Steve Wynn demitiu-se da presidência da administração da Wynn Resorts, na sequência de acusações de abusos sexuais, anunciou hoje a empresa, indicando que a demissão tem efeitos imediatos.

O diário The Wall Street Journal publicou a 26 de janeiro um artigo com testemunhos de várias empregadas do seu grupo empresarial acusando Steve Wynn, de 76 anos, de abuso sexual, tendo um dos casos, relacionado com reconhecimento de paternidade, culminado num acordo extrajudicial no valor de 7,5 milhões de dólares (seis milhões de euros).

O jornal norte-americano afirma ter inquirido dezenas de pessoas que descreveram "um historial de comportamento sexual inapropriado que se estende por várias décadas", acusação veementemente desmentida pelo próprio e pela sua empresa, que considerou, numa primeira fase, tratar-se de uma campanha de difamação orquestrada pela ex-mulher de Wynn, Elaine, para renegociar os termos do divórcio.

O multimilionário que começou como proprietário de um pequeno grupo de salas de bingo no nordeste dos Estados Unidos e construiu um império do jogo com o seu nome, em que se incluem os casinos Mirage e Bellágio, em Las Vegas, e dois casinos Wynn, em Macau, enfrenta agora investigações das entidades reguladoras do jogo em dois estados norte-americanos, Nevada e Massachusetts, e os reguladores de Macau mostraram-se igualmente interessados em saber mais sobre o caso.

O conselho de administração da Wynn Resorts nomeou Matt Maddox, até agora presidente da companhia, como novo presidente (CEO), com entrada em funções de imediato.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.