Magnata do jogo Steve Wynn demite-se após denúncias de abusos sexuais

Um dos casos, relacionado com reconhecimento de paternidade, culminou num acordo extrajudicial no valor de 7,5 milhões de dólares

O magnata norte-americano dos casinos Steve Wynn demitiu-se da presidência da administração da Wynn Resorts, na sequência de acusações de abusos sexuais, anunciou hoje a empresa, indicando que a demissão tem efeitos imediatos.

O diário The Wall Street Journal publicou a 26 de janeiro um artigo com testemunhos de várias empregadas do seu grupo empresarial acusando Steve Wynn, de 76 anos, de abuso sexual, tendo um dos casos, relacionado com reconhecimento de paternidade, culminado num acordo extrajudicial no valor de 7,5 milhões de dólares (seis milhões de euros).

O jornal norte-americano afirma ter inquirido dezenas de pessoas que descreveram "um historial de comportamento sexual inapropriado que se estende por várias décadas", acusação veementemente desmentida pelo próprio e pela sua empresa, que considerou, numa primeira fase, tratar-se de uma campanha de difamação orquestrada pela ex-mulher de Wynn, Elaine, para renegociar os termos do divórcio.

O multimilionário que começou como proprietário de um pequeno grupo de salas de bingo no nordeste dos Estados Unidos e construiu um império do jogo com o seu nome, em que se incluem os casinos Mirage e Bellágio, em Las Vegas, e dois casinos Wynn, em Macau, enfrenta agora investigações das entidades reguladoras do jogo em dois estados norte-americanos, Nevada e Massachusetts, e os reguladores de Macau mostraram-se igualmente interessados em saber mais sobre o caso.

O conselho de administração da Wynn Resorts nomeou Matt Maddox, até agora presidente da companhia, como novo presidente (CEO), com entrada em funções de imediato.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.