Mafalda contra o aborto? Quino vem a público negar

O cartoonista argentino diz que não autorizou o uso da sua famosa personagem na campanha contra a legalização do aborto, que está a ser discutida na Argentina

O cartoonista Quino, pai de Mafalda, negou através de um comunicado nas redes sociais ter autorizado o uso da imagem da sua famosa personagem a favor da campanha contra a legalização do aborto na Argentina.

Na imagem que se tornou viral, Mafalda surge sorridente com um lenço azul celeste ao pescoço, que é símbolo dessa campanha, com a frase "salvemos as duas vidas".

A acompanhar, uma alegada frase do próprio Quino: "Disseram-me que estão a utilizar sem autorização a imagem de Mafalda na campanha de legalização do aborto (coisa que me irrita) mas aproveito para esclarecer que a Mafalda sempre estará a favor da vida, por isso, não lhe ponham um lenço verde, porque a sua cor é o azul celeste."

Num comunicado, Joaquín Salvador Lavado (o nome verdadeiro de Quino), que acaba de celebrar os 86 anos e perdeu parte da visão devido a um glaucoma, negou ser responsável pela imagem.

"Difundiram-se imagens de Mafalda com o lenço azul que simboliza a oposição à lei da interrupção voluntária da gravidez. Não a autorizei, não reflete a minha posição e peço que seja removida", escreveu num comunicado partilhado pela Ediciones de la Flor, que há décadas publica os seus trabalhos. "Sempre acompanhei as causas dos direitos humanos em geral, e a dos direitos humanos das mulheres em particular, a quem desejo sorte nas suas reivindicações", acrescentou.

A lei que permite a interrupção voluntária da gravidez até à 14.ª semana foi aprovada em junho na Câmara de Deputados (129 votos a favor e 125 contra), mas terá ainda que passar no Senado, num debate marcado para 8 de agosto. O azul celeste é a cor da campanha contra, enquanto o verde é usado pelos que estão a favor.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.