Mafalda contra o aborto? Quino vem a público negar

O cartoonista argentino diz que não autorizou o uso da sua famosa personagem na campanha contra a legalização do aborto, que está a ser discutida na Argentina

O cartoonista Quino, pai de Mafalda, negou através de um comunicado nas redes sociais ter autorizado o uso da imagem da sua famosa personagem a favor da campanha contra a legalização do aborto na Argentina.

Na imagem que se tornou viral, Mafalda surge sorridente com um lenço azul celeste ao pescoço, que é símbolo dessa campanha, com a frase "salvemos as duas vidas".

A acompanhar, uma alegada frase do próprio Quino: "Disseram-me que estão a utilizar sem autorização a imagem de Mafalda na campanha de legalização do aborto (coisa que me irrita) mas aproveito para esclarecer que a Mafalda sempre estará a favor da vida, por isso, não lhe ponham um lenço verde, porque a sua cor é o azul celeste."

Num comunicado, Joaquín Salvador Lavado (o nome verdadeiro de Quino), que acaba de celebrar os 86 anos e perdeu parte da visão devido a um glaucoma, negou ser responsável pela imagem.

"Difundiram-se imagens de Mafalda com o lenço azul que simboliza a oposição à lei da interrupção voluntária da gravidez. Não a autorizei, não reflete a minha posição e peço que seja removida", escreveu num comunicado partilhado pela Ediciones de la Flor, que há décadas publica os seus trabalhos. "Sempre acompanhei as causas dos direitos humanos em geral, e a dos direitos humanos das mulheres em particular, a quem desejo sorte nas suas reivindicações", acrescentou.

A lei que permite a interrupção voluntária da gravidez até à 14.ª semana foi aprovada em junho na Câmara de Deputados (129 votos a favor e 125 contra), mas terá ainda que passar no Senado, num debate marcado para 8 de agosto. O azul celeste é a cor da campanha contra, enquanto o verde é usado pelos que estão a favor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.