Mafalda contra o aborto? Quino vem a público negar

O cartoonista argentino diz que não autorizou o uso da sua famosa personagem na campanha contra a legalização do aborto, que está a ser discutida na Argentina

O cartoonista Quino, pai de Mafalda, negou através de um comunicado nas redes sociais ter autorizado o uso da imagem da sua famosa personagem a favor da campanha contra a legalização do aborto na Argentina.

Na imagem que se tornou viral, Mafalda surge sorridente com um lenço azul celeste ao pescoço, que é símbolo dessa campanha, com a frase "salvemos as duas vidas".

A acompanhar, uma alegada frase do próprio Quino: "Disseram-me que estão a utilizar sem autorização a imagem de Mafalda na campanha de legalização do aborto (coisa que me irrita) mas aproveito para esclarecer que a Mafalda sempre estará a favor da vida, por isso, não lhe ponham um lenço verde, porque a sua cor é o azul celeste."

Num comunicado, Joaquín Salvador Lavado (o nome verdadeiro de Quino), que acaba de celebrar os 86 anos e perdeu parte da visão devido a um glaucoma, negou ser responsável pela imagem.

"Difundiram-se imagens de Mafalda com o lenço azul que simboliza a oposição à lei da interrupção voluntária da gravidez. Não a autorizei, não reflete a minha posição e peço que seja removida", escreveu num comunicado partilhado pela Ediciones de la Flor, que há décadas publica os seus trabalhos. "Sempre acompanhei as causas dos direitos humanos em geral, e a dos direitos humanos das mulheres em particular, a quem desejo sorte nas suas reivindicações", acrescentou.

A lei que permite a interrupção voluntária da gravidez até à 14.ª semana foi aprovada em junho na Câmara de Deputados (129 votos a favor e 125 contra), mas terá ainda que passar no Senado, num debate marcado para 8 de agosto. O azul celeste é a cor da campanha contra, enquanto o verde é usado pelos que estão a favor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.