Mãe reunida com o filho: "Trump meteu-se com os anjinhos de Deus"

A BBC captou o momento em que uma migrante das Honduras reencontra o filho de 6 anos. Esteve mais de 50 dias sem sequer saber onde ele estava. "Não conseguia respirar", recorda a mulher.

O filho de Yessica é uma das 1820 crianças separadas dos pais que já conseguiu reunir-se com a família. Foi na passada sexta-feira (21 de julho), cinco dias antes do fim do prazo que o juiz Dana Sabraw, do tribunal federal de San Diego, deu ao governo dos EUA para reunir os mais de 2500 jovens, com idades entre 5 e 17 anos, que foram afastados das famílias devido à política de "tolerância zero" da administração Trump.

A BBC acompanhou o reencontro da mulher - de quem não avançou mais dados - com a criança de 6 anos. Yessica revelou, num discurso emocionado, que esteve "mais de 50 dias" sem ter notícias do filho.

"Não consigo dormir. Acordo e sinto o coração a bater muito rápido. Não consigo sequer respirar", desabafava em frente às câmaras, 23 dias antes do reencontro. Na altura, ligava insistentemente para o número que lhe deram mas ninguém lhe sabia dizer onde estava a criança, de 6 anos.

"Nunca pensei que seria assim, que nos iam tirar as crianças", conta, ao recordar a noite de maio em que saltou a fronteira e foi detida pelas autoridades norte-americanas.

"Disseram para deitarmos os nossos filhos no chão. Depois, durante a madrugada, foram buscar as crianças numa carrinha", recorda.

Quase dois meses depois, Yessica mudou-se para Houston e conseguiu a ajuda de uma assistente social. Próximo do prazo exigido ao governo para reunir pais e filhos migrantes, conseguiu preencher todos os formulários exigidos e abraçar de novo o menino.

No Aeroporto de Houston, onde aconteceu o reencontro, duas crianças caminham, cada uma delas de mão dada a um homem. O menino mais velho corre para os braços de um familiar. O filho de Yessica abraça-se à mãe. Passaram mais de 50 dias. Yessica é uma mãe torturada, mas não revoltada.

"Não estou zangada. Estou triste, porque o Presidente Trump não sabe o que fez. Ele meteu-se com os anjinhos de Deus. As crianças não têm culpa das decisões dos adultos", diz a hondurenha.

Há 400 crianças nos EUA cujos pais já foram deportados

Cerca de 700 crianças continuam separadas das famílias, incluindo mais de 400 cujos pais foram deportados, de acordo com as autoridades.

No final do mês passado, o juiz Dana Sabraw, do tribunal federal de San Diego, ordenou que o governo reunisse os milhares de crianças e pais que foram forçados a se separar na fronteira devido à política de "tolerância zero" da administração do presidente Donald Trump.

À data, o juiz estabeleceu o prazo de 10 de julho para crianças menores de 5 anos e deu ao governo até 26 de julho [quinta-feira] para reunir mais de 2500 jovens com idades entre 5 e 17 anos.

A administração Trump insistiu que cumpriria o prazo do tribunal, reunindo todas as famílias que considerava elegíveis para a reunificação

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.