Mãe de Ana Julia diz que só o "demónio" a levaria a matar menino de oito anos

Dominicana confessou o homicídio de Gabriel Cruz, que estava desaparecido desde o final de fevereiro. Família não acredita que ela tenha cometido o crime

Ana Julia Quezada confessou na passada terça-feira ter assassinado o enteado Gabriel Cruz, de oito anos, que desapareceu a 27 de fevereiro em Las Hortichuelas de Níjar, uma localidade de Almería. O corpo da crian;a foi encontrado no domingo.

Agora, La Cabuya, na República Dominicana, foi "invadida" por jornalistas à procura de respostas perto da família de Ana Julia, que reside na pequena locallidade com pequenas e pobres casas e sem alcatrão, segundo o El Mundo .

A mãe de Ana Julia Quezada invoca, inclusivamente, o "demónio": "Se é culpada, foi o demónio que a levou a cometer o crime. Uma filha minha, com tão boa educação, não acredito". A mãe, Juana Cruz, ressalva ainda que "se existe mais alguém, que fale para que ela não carregue a culpa sozinha". "Nunca pensei que ela pudesse fazer isto", acrescentou.

Explicou também que Ana Julia não comunicou aos familiares o desaparecimento do enteado e que estes só souberam da detenção da suspeita, que depois confessou o crime, em Almería, através das redes sociais. Nenhum dos dez filhos de Juana Cruz, explicou a própria, teve problemas com a lei.

Juan José Quezada, um dos irmãos, disse achar a situação "estranha". "Somos humildes, ganhamos o pão com o suor. Não acredito que ela, que veio de baixo com muito sacrifício e esforço, tira a vida de um inocente", afirmou, falando ainda numa mulher que "nunca foi violenta" e que é uma "cabala" o que está a acontecer.

"Acredito em Deus e nela. Ela não o fez. Existem mãos criminosas por trás", disse outro dos irmãos.

"No meu coração de irmã, não [acredito]", respondeu uma das irmãs quando questionada sobre a possibilidade de Ana Julia matar um menino de oito anos.

Devido à morte de Gabriel Cruz, as autoridades estão a investigar a morte da filha de Ana Julia Quezada, que perdeu a vida devido a uma alegada queda acidental de uma varanda, em 1996. A família alega que a menina era "sonâmbula" e que o alegado acidente se deveu a essa condição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.