Maduro compromete-se a dialogar com a oposição

Conversações começaram na noite de domingo

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, comprometeu-se com o processo de diálogo para tentar aliviar a crise do país, iniciado na noite de domingo entre o Governo e a oposição e mediado pelo Vaticano.

"Quero manifestar, diante do representante do papa Francisco, como fiz há dias em Roma, o meu agradecimento e o meu compromisso absoluto como Presidente da República e líder do Movimento Bolivariano e Revolucionário da Venezuela para com este processo de diálogo", afirmou, no início das conversações.

Maduro disse que participa no diálogo disposto a "ouvir e, oxalá, ser ouvido" para "procurar pontos de encontro em função dos interesses das grandes maiorias".

O Presidente venezuelano assinalou ainda que, a seu ver, "o diálogo não tem alternativas".

"Não há alternativa para a palavra e ao encontro para a procura do interesse comum do país", afirmou.

Neste sentido, instou as delegações a serem "otimistas quando se trata de paz", sublinhando que o início das conversações com a aliança da oposição MUD (Mesa da Unidade Democrática) é "a oportunidade para desarmar o ódio, a intolerância".

As conversações, que começaram na noite de domingo, continuaram em privado após as palavras de Maduro.

O encontro de domingo constitui o resultado de uma série de esforços exploratórios iniciados pela União de Nações Sul-americanas (Unasul) em meados de maio e concretizadas na segunda-feira com a intermediação da Igreja Católica.

O secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper, e o prelado italiano Claudio María Celli, em representação do Vaticano, também participam no encontro.

A Venezuela vive uma crise económica e política desde 2014.

Desde a morte do antigo Presidente venezuelano Hugo Chávez, em 2013, que a agitação tem vindo a crescer no país e confrontos entre Governo e oposição já provocaram vários mortos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.