Maduro compromete-se a dialogar com a oposição

Conversações começaram na noite de domingo

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, comprometeu-se com o processo de diálogo para tentar aliviar a crise do país, iniciado na noite de domingo entre o Governo e a oposição e mediado pelo Vaticano.

"Quero manifestar, diante do representante do papa Francisco, como fiz há dias em Roma, o meu agradecimento e o meu compromisso absoluto como Presidente da República e líder do Movimento Bolivariano e Revolucionário da Venezuela para com este processo de diálogo", afirmou, no início das conversações.

Maduro disse que participa no diálogo disposto a "ouvir e, oxalá, ser ouvido" para "procurar pontos de encontro em função dos interesses das grandes maiorias".

O Presidente venezuelano assinalou ainda que, a seu ver, "o diálogo não tem alternativas".

"Não há alternativa para a palavra e ao encontro para a procura do interesse comum do país", afirmou.

Neste sentido, instou as delegações a serem "otimistas quando se trata de paz", sublinhando que o início das conversações com a aliança da oposição MUD (Mesa da Unidade Democrática) é "a oportunidade para desarmar o ódio, a intolerância".

As conversações, que começaram na noite de domingo, continuaram em privado após as palavras de Maduro.

O encontro de domingo constitui o resultado de uma série de esforços exploratórios iniciados pela União de Nações Sul-americanas (Unasul) em meados de maio e concretizadas na segunda-feira com a intermediação da Igreja Católica.

O secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper, e o prelado italiano Claudio María Celli, em representação do Vaticano, também participam no encontro.

A Venezuela vive uma crise económica e política desde 2014.

Desde a morte do antigo Presidente venezuelano Hugo Chávez, em 2013, que a agitação tem vindo a crescer no país e confrontos entre Governo e oposição já provocaram vários mortos.

Ler mais