Maduro censura série sobre a vida de Hugo Chávez

Internet é a alternativa para os venezuelanos que querem ver o ator colombiano Andrés Parra na pele do ex-presidente

O primeiro capítulo da série de televisão El Comandante começa com uma advertência: "Esta é uma obra de ficção inspirada na vida de Hugo Chávez (...) qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência." A ação começa a 3 de fevereiro de 1992, um dia antes do golpe de Estado que o então tenente-coronel liderou e que marcaria o início da sua ascensão até ao poder na Venezuela. Mas os venezuelanos que queiram ver a série que estreou esta semana na América Latina têm de recorrer à internet porque os 60 episódios produzidos pela Sony Pictures foram censurados pelo governo de Nicolás Maduro.

Alegando que a série criada pelo jornalista e escritor Moisés Naím (crítico do chavismo) "atenta contra o legado" do ex-presidente, a Comissão Nacional de Telecomunicações lançou uma campanha para que os venezuelanos denunciem os operadores de cabo que possam estar a transmiti-la, usando a hashtag #AquíNoSeHablaMalDeChávez (aqui não se fala mal de Chávez). Ao mesmo tempo, a hashtag #NuestroChavezDeVerdad (nosso Chávez de verdade) é usada para partilhar o legado do homem que chegou ao poder através das urnas sete anos após o golpe falhado de 1992 e morreu a 5 de março de 2013 de cancro.

VEJA O TRAILER

"Esta é uma história fascinante que não deixa ninguém indiferente e que merece ser contada", disse Naím à revista colombiana Semana. "Acho que quem o apoia e admira o continuará a fazer e quem se opõe e critica continuará a ser crítico. Não acho que a série vá mudar o ponto de vista de ninguém", acrescentou o ex-ministro do Comércio e Indústria de Carlos Andrés Pérez (alvo da tentativa de golpe de 1992), que presidiu ao Banco Central do país e foi diretor do Banco Mundial.

"Há duas coisas que ninguém pode contestar, independentemente da ideologia. A primeira é que Chávez era um político extraordinariamente carismático que seduziu pessoas em todo o mundo. E a outra é que a Venezuela de hoje está destruída por uma enorme crise", indicou Naím à Associated Press, referindo-se aos problemas económicos (com inflação acima dos 700%) e políticos (com a oposição a insistir num referendo revogatório ao mandato de Maduro). "É muito difícil argumentar que a atual tragédia não tem nada que ver com Chávez", referiu o colunista do El País, que vive em Washington. "É óbvio que Maduro não tem nem o carisma, nem o talento, nem a ligação ao povo ou o controlo da situação que tinha Chávez", acrescentou Naím à Semana.

El Comandante, que a Sony diz ser uma obra de ficção baseada na vida de Chávez com "romance, espionagem, traição e heroísmo", é protagonizada pelo ator colombiano Andrés Parra. Algo que também não agradou ao governo venezuelano, visto ele ter ficado conhecido pelo seu papel como o narcotraficante Pablo Escobar na série O patrão do mal, da Caracol TV. Parra, que faz de Chávez adulto (há outros dois atores para a infância e juventude, contadas em flashbacks), passou horas a ver os vídeos do ex-presidente para conseguir imitar a sua forma de falar e os seus gestos.

Mas apesar do alarido na Venezuela, a estreia desiludiu na Colômbia, ficando em 16.º lugar das audiências no horário nobre. E nas redes sociais teve críticas mistas. Houve quem destacasse o desempenho de Parra, mas também quem, mesmo crítico do chavismo, atacasse a série: "Pela primeira vez concordo com Maduro quando diz que o programa El Comandante é lixo", escreveu Jorge E. Já Josmel García, que vive em Caracas, disse esperar que a série "não cometa o erro de mitificar a figura de Chávez. Foi um criminoso e deve ser representado como tal". Por seu lado, Alexa Gomez diz que ver a série de segunda a sexta--feira após viver há 18 anos com o chavismo é "masoquismo".

Em resposta, o ministro da Cultura, Adán Chávez (irmão do ex--presidente), anunciou a rodagem de um filme e de uma outra série televisiva que mostrarão fielmente a vida de Chávez. Além disso a segunda mulher do ex-líder venezuelano, Marisabel Rodríguez, quer processar a produtora: "Acho que na Sony Pictures devem ter a certeza daquilo a que se expõe com a transmissão dessa série pouco séria."

O número dois do PSUV, Diosdado Cabello, revelou no seu programa semanal que a série é financiada por ex-chavistas. "Companheiros que estiveram aqui connosco, e foram para lá com o dinheiro dos venezuelanos, que dizem que não eram ladrões e vivem comodamente nos EUA", afirmou, apontando o dedo ao ex-ministro da Alimentação, Hebert García Plaza, que deixou o país há dois anos quando ia ser acusado de corrupção.

VEJA O PRIMEIRO EPISÓDIO

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.