Madrid responde a Torra: "Um relato independentista, para independentistas"

As reações à conferência do presidente da Generalitat não se fizeram esperar. A porta-voz do governo de Sánchez reitera que este está aberto ao diálogo sobre autogoverno. Ciudadanos pede que socialista volte a acionar o artigo 155.º.

A ministra da Educação e porta-voz do governo espanhol, Isabel Celaá, disse que o presidente da Generalitat, Quim Torra, falou esta tarde para o seu público, os independentistas que "têm uma maioria parlamentar, mas não uma maioria social" na Catalunha. "Ouvimos um relato independentista, para independentistas", afirmou, numa reação à conferência do líder catalão, na qual este reiterou a sua abertura ao diálogo, mas tendo em vista um referendo independentista.

"O trabalho da política é solucionar os problemas dos cidadãos. Diálogo sim, negociação também, mas sobre aquilo que nos une, o autogoverno, porque isso, e não outra coisa, é o que aglutina e une a sociedade catalã no seu conjunto, como vimos ao longo da sua história", disse Celaá, numa reação ao discurso de Torra. "O governo está disposto a dialogar dentro da legalidade, naquilo que une os catalães, que é o seu autogoverno", reiterou numa conferência de imprensa.

Na véspera do discurso de Torra, o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, tinha precisamente proposto um referendo sobre o autogoverno, isto é, o estatuto da Catalunha, que foi alterado pela sentença do Tribunal Constitucional e não é, por isso, o texto votado pelos catalães. No Teatro Nacional da Catalunha, Torra disse contudo que "o debate na sociedade catalã não é sobre um estatuto" e que "só um referendo sobre a autodeterminação acordado, vinculativo e reconhecido internacionalmente" será a solução.

"Espanha é um estado social e democrático de direito. E queria recordar que o poder judicial é um poder independente, reconhecido como tal na nossa constituição, tal como acontece nas restantes constituições europeias", afirmou a porta-voz. Celaá reagia assim às afirmações de Torra de que não aceitará qualquer outra sentença nos processos contra os políticos independentistas que não seja "a absolvição".

"O sistema judicial é um sistema de garantias e tem recursos e possibilidade. Passo a passo, não vamos falar de eventos futuros. As sentenças dos juízes devem ser aceites", acrescentou, questionada diretamente sobre essas declarações.

Ciudadanos e o regresso do 155.º

O líder do Ciudadanos, Albert Rivera, reagiu ao discurso no Twitter e apelou a Sánchez para que volte a aplicar o artigo 155.º da Constituição, que já foi usado para suspender a autonomia da Catalunha e convocar eleições antecipadas na região.

"Torra despreza a maioria dos catalães e anuncia outra ofensiva para tentar liquidar a Espanha. Chega, sr. Sánchez, rompa com os separatistas, apliquemos o 155.º antes que seja tarde de mais. Defender a igualdade e a união de todos os espanhóis não é uma opção, é uma obrigação deles", escreveu.

"Nada de novo. Torra ignora mais de metade da Catalunha e anuncia voltar às ruas, pôr as instituições ao serviço do independentismo, reforºar a propaganda exterior e desobediência. Tudo desde um teatro porque fecharam o Parlamento catalão. Sr. Sánchez, reaja e proteja-nos", escreveu, na mesma rede social, a líder do Ciudadanos na Catalunha, Inés Arrimadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.