Madrid proíbe circo com animais

Governo de Madrid diz que animais são obrigados a ter comportamentos antinaturais. Donos de companhias circenses falam de medidas discriminatórias e ilegais

O governo municipal de Madrid, Espanha, aprovou esta terça-feira uma medida que proíbe o uso de animais em espetáculos de circo na cidade, tanto em terrenos públicos como privados.

A medida foi proposta pela presidente da câmara de Madrid, Manuela Carmena, e pelo partido PSOE, segundo o El Mundo, e argumenta que os animais usados nos circos - como elefantes e tigres - têm o direito de "não serem vítimas de maus tratos e de não serem submetidos a esforços ou ato cruéis que provoquem sofrimento, ansiedade ou stress".

O partido Ciudadanos também votou a favor desta medida enquanto o PP votou contra.

No proposta da coligação Ahora Madrid, liderada por Manuela Carmena, lê-se que "nos circos, os animais geralmente vivem em condições de cativeiro, alojados em jaulas e contentores" e que são "transportados por longas distâncias em reboques de camião que não satisfazem as necessidades físicas mais básicas".

Além disso, mesmo tendo em conta que muitos destes animais nasceram em cativeiro, eles "mantêm os instintos animais" e "são submetidos a processos de aprendizagem em que são obrigados, por vezes de modo violento, a terem comportamentos que são completamente antinaturais para a sua espécie", continua a proposta.

O governo municipal de Madrid vem assim juntar-se à corrente de defesa dos animais, cumprindo o dever de "favorecer e potenciar uma conduta mais cívica da cidadania e da defesa e da preservação da natureza", segundo o texto da proposta.

Estima-se que cerca de duas mil pessoas vão ser afetadas por esta decisão e algumas delas manifestaram-se esta manhã em Madrid.

"A nossa atividade é legal e também é uma atividade pecuária por isso tem controlos exaustivos das autoridades sanitárias e do Serviço de Proteção da Natureza", afirmou Vicente Barrio, presidente da Associação de Circos Reunidos.

Barrio defende que esta medida é discriminatória e até "ilegais" porque "partem do princípio que há maus tratos" aos animais. "É a imputação de um delito a um coletivo, o que não pode ser", explica, acrescentado que a equipa de Manuela Carmena "fala sem ter a mínima ideia do que se passa".

A proibição do uso de animais em espetáculos de circo já foi aprovada em mais de 220 municípios espanhóis.

Em Portugal, foi aprovada em 2009 uma lei que proíbe a aquisição de novos animais por parte dos circos, a compra de novos animais e a reprodução dos espécimes que as companhias de circo já possuam.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.