Madrid faz contas às regionais no País Basco e na Galiza

Líderes dos partidos nacionais fizeram uma pausa para tentar resolver o impasse político e estiveram ativos na campanha.

Galegos e bascos vão hoje às urnas no meio de um bloqueio político nacional sem precedentes. Uma situação excecional que dá maior protagonismo às eleições na Galiza e no País Basco. Os resultados não servirão para desbloquear automaticamente o difícil mapa político da Espanha, mas vão dar argumentos aos distintos partidos para as futuras negociações. Cada um espera tirar proveito desta nova ida às urnas dado o futuro incerto do país, independentemente do que aconteça no âmbito regional. Por esse motivo assistimos na campanha ao "desembarque de líderes nacionais" em terras galegas e bascas.

Madrid está atenta à Galiza, apesar do contexto político diferente. Maria Carmen González, jornalista do jornal La Voz de Galicia, começa por dizer que "a política galega tem o seu próprio ritmo" e que "o que estamos a ver cá não é o mesmo que o que estão a ver desde Madrid". Refere, por exemplo, que há quatro anos foi uma surpresa a chegada ao Parlamento da Alternativa Galega de Esquerda (AGE), "um partido formado em pouco tempo por um velho conhecido da política, Xosé Manuel Beiras", muito antes da formação do Podemos.

A jornalista galega garante que foi uma campanha "com um perfil muito baixo, sem emoção e sem propostas dos candidatos que estão com muito medo". Isso, junto com o "cansaço dos galegos de ir às urnas", faz pensar que neste domingo a participação seja baixa. Na Galiza "nenhum partido está a jogar a pensar num cenário nacional", mas é inevitável que "cada partido tente sair reforçado" e todos os líderes nacionais estiveram presentes em alguns atos de campanha.

Há quem diga que a "Galiza antecipa um pouco os movimentos nacionais. Depois da maioria absoluta de [Manuel] Fraga chegou a de [José María] Aznar, e depois da maioria absoluta de [Alberto Núnez] Feijóo houve a de [Mariano] Rajoy", lembra Maria Carmen. Caso esta maioria se repita, "seria um balão de oxigénio para o Partido Popular" (PP), mas se a esquerda tiver melhores resultados, "não irá ajudar os populares na procura de um desbloqueio político ou numas terceiras eleições".

No caso dos socialistas galegos, "a situação é muito má porque têm um líder frágil, que tem parte do partido contra si, como acontece com Pedro Sánchez [líder nacional]". E se falamos da AGE, "desta vez pode sair reforçada e aproveitar o puxão do Podemos".

O socialista Pedro Sánchez com a candidata do partido em San Sebastián, no País Basco. O PNV, que deve vencer, vai precisar do PSOE para reeleger o lehendakari Íñigo Urkullu

As sondagens dão a maioria absoluta a Feijóo "e é muito difícil que isso não aconteça", diz Ignacio Escolar, diretor do Eldiario.es. "Tal como está criado o sistema, o PP sai beneficiado." A maior incógnita, diz, está em saber se "o En Marea [Podemos e aliados] é mais forte do que o PSOE e o ultrapassa nos resultados".

País Basco

Nas eleições bascas, muito se tem especulado sobre um possível apoio do PP aos nacionalistas do PNV em troca da sua ajuda para a investidura de Rajoy. Uma hipótese cada vez menos provável tendo em conta que "além de possivelmente não ser necessário, esta estratégia não interessa ao PNV, partido que conta com uma política de acordos de coligação com os socialistas a nível municipal", explica ao DN Olatz Barriuso, jornalista de El Correo Vasco. Os nacionalistas só precisam do PP "se a soma de deputados do EH Bildu [independentista] e do Podemos for superior à soma dos deputados do PNV e dos socialistas (PSE)", acrescenta Barriuso. Um cenário pouco provável segundo as sondagens.

No País Basco consideram que estas eleições são bastante diferentes das nacionais e lembram que o sistema para eleger o lehendakari (presidente basco) não é o mesmo que o do chefe do governo. "No País Basco não se pode votar contra os candidatos a lehendakari, só a favor ou na abstenção. Desta forma evita-se sempre o bloqueio", sublinha Barriuso.

Esta diferença entre política regional e política nacional está a ser utilizada pelo PNV para mostrar aos eleitores que "no País Basco sabemos pactuar". O lehendakari Íñigo Urkullu adiou as eleições um mês "para evitar contaminar-se com a situação política nacional".

Outro dado que mostra as diferenças entre regionais e legislativas no território basco são os resultados. "Nos comícios de dezembro e junho ganhou o Podemos, foi um voto anti-Rajoy e anti-PP", esclarece a jornalista. "Agora as sondagens colocam o Podemos como segunda ou terceira força. O voto é mais conservador, os bascos preferem manter o que já existe."

Olatz Barriuso acredita que a única forma que o PP tem para sair reforçado depois das eleições bascas "é conseguir um empate ou melhor resultado do que os socialistas e não permitir que o Ciudadanos fique com algum dos seus deputados". Esse cenário seria "uma prenda extra para Rajoy", mas caso não haja surpresas, "o impacto das eleições bascas na política nacional não será muito visível".

Madrid

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.