"Madre Teresa" do Paquistão morre aos 87 anos

Ruth Pfau passou quase 50 anos a cuidar dos pobres e doentes do país

Ruth Pfau, uma religiosa alemã com formação em Medicina que dedicou a vida a combater a lepra no Paquistão, morreu na quarta-feira aos 87 anos, indicou esta quinta-feira fonte médica.

Conhecida apenas pelo nome de Madre Teresa do Paquistão, Ruth Pfau chegou em 1960 a Carachi, no sul do território, e passou quase 50 anos a cuidar das pessoas mais doentes e mais pobres do país.

Foi fundadora da leprosaria Maria Adelaide, em Carachi, onde esteve internada nas duas últimas semanas, desde que adoeceu, e onde morreu na quarta-feira à noite, precisou o responsável desse centro médico, Mervyn Lobo.

A religiosa terá honras de exéquias nacionais.

"Ela realmente nasceu na Alemanha, mas o seu coração sempre esteve no Paquistão", declarou o primeiro-ministro paquistanês, Shahid Khagan Abbasi, expressando tristeza.

Em colaboração com o Governo, Ruth Pfau contribuiu para a abertura de centros para leprosos em quase 150 cidades de todo o Paquistão, formando os médicos, tomando a seu cargo milhares de vítimas e ajudando à elaboração de um programa nacional para controlar a epidemia, o que lhe valeu altas distinções paquistanesas.

A cidadã alemã decidiu dedicar-se à ajuda humanitária, como médica, após os horrores da Segunda Guerra Mundial no seu país, tendo-se então juntado às Filhas do Coração de Maria, uma ordem fundada durante a Revolução Francesa.

Chegou ao Paquistão por acaso: a caminho da Índia, complicações com o seu visto obrigaram-na a fazer escala em Carachi, onde visitou doentes com lepra.

"Uma das mais importantes vontades no espírito da Dra. Pfau era que as [diversas] religiões trabalhassem em conjunto. Ela pensava que a maior religião era a humanidade", disse a médica Claudia Vilani, também estrangeira, colega de Ruth Pfau.

A Madre Teresa do Paquistão foi também saudada pelo seu trabalho junto das vítimas das devastadoras cheias de 2010, que deixaram milhões de pessoas sem-abrigo em todo o país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.