Governo britânico concede mais dinheiro para investigação policial

Porta-voz do ministério do Interior britânico afirmou que "o Governo continua comprometido com a investigação do desaparecimento de Madeleine McCann"

A investigação da polícia britânica ao desaparecimento em Portugal de Madeleine McCann, em 2007, vai receber financiamento adicional, confirmou hoje o Governo britânico.

Um porta-voz do ministério do Interior britânico afirmou que "o Governo continua comprometido com a investigação do desaparecimento de Madeleine McCann (Operação Grange)".

Nesse sentido, a Metropolitan Police (Polícia Metropolitana) foi informada de que "a sua candidatura para uma subvenção especial de financiamento para a Operação Grange será concedida".

Questionados pela Lusa, nem a polícia nem o ministério do Interior deram detalhes sobre qual o montante ou o período que vai cobrir este valor.

Maddie McCann desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 3 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve

O último financiamento recebido para esta investigação aconteceu no ano passado e elevou-se a 154 mil libras (175 mil euros), abrangendo seis meses de investigação, o que termina no final de março.

Maddie McCann desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 3 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve.

A Metropolitan Police, além de ser responsável pela segurança na área metropolitana de Londres, tem também a responsabilidade do combate ao terrorismo, a proteção de personalidades e é frequentemente encarregue de missões e casos a nível nacional.

No ano passado, a propósito do 10º. aniversário do desaparecimento, a polícia disse que estava a seguir algumas "linhas de investigação cruciais", sem revelar mais detalhes.

Ao todo, terão sido analisados mais de 40.000 documentos, muitos dos quais tiveram de ser traduzidos de português para inglês, recolhidos 1.338 depoimentos e 1.027 objetos

A "Operação Grange" foi aberta em 2011 para rever toda a informação disponível e, no ano seguinte, evoluiu para um inquérito formal, mas, dos 29 detetives que inicialmente envolveu, atualmente restam apenas quatro dedicados ao caso.

Desde 2011, estima-se que esta operação tenha custado mais de 12 milhões de libras (14 milhões de euros)

Ao todo, terão sido analisados mais de 40.000 documentos, muitos dos quais tiveram de ser traduzidos de português para inglês, recolhidos 1.338 depoimentos e 1.027 objetos, determinadas 7.154 diligências e identificadas 560 linhas de investigação, tendo sido enviadas mais de 30 cartas rogatórias internacionais.

A polícia britânica afirma ter investigado mais de 60 "pessoas de interesse", considerado um total de 650 criminosos sexuais e averiguado testemunhos de 8.685 potenciais avistamentos de Madeleine em todo o mundo.

Desde 2011, estima-se que esta operação tenha custado mais de 12 milhões de libras (14 milhões de euros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.