Macron regista os níveis de popularidade mais baixos desde que foi eleito

Analistas consideram que o escândalo com o agente de segurança do Palácio do Eliseu, assim como a demissão do ministro Nicolau Hulot, são responsáveis pela tendência

A popularidade do presidente francês, Emmanuel Macron, atingiu os níveis mais baixos de sempre durante o verão, indica uma sondagem publicada esta terça-feira na revista Paris Match.

A pesquisa realizada pelo instituto Ifop-Fiducial indica que se trata do nível mais baixo do mandato de Macron, sendo que apenas 31% dos franceses inquiridos se mostram satisfeitos com as ações do chefe de Estado.

O nível - que baixou dez pontos - é inferior ao do antecessor, o socialista François Hollande, verificado em igual período pelo mesmo instituto de sondagens.

Trata-se do valor mais baixo desde as eleições presidenciais de 2017, em que Macron derrotou a líder da extrema-direita Marine Le Pen e está abaixo dos 32% que o anterior presidente, François Hollande, registava decorrido o mesmo tempo de mandato, em setembro de 2013.

Os analistas responsáveis pela sondagem indicam que a baixa de popularidade foi causada pelo escândalo que envolveu o agente de segurança do Palácio do Eliseu, Alexandre Benalla, tornado público em julho, e pela demissão do ministro da Ecologia, o mediático Nicolau Hulot, que abandonou o governo na semana passada mostrando insatisfação pelos obstáculos contra os objetivos que defendia para a política de meio ambiente.

A falta de decisão sobre questões fiscais relacionadas com amortizações imobiliárias também é apontada como uma das causas que afetam a popularidade de Macron.

A questão tributária deve ser analisada hoje durante uma reunião que vai ser presidida por Macron que também deve anunciar o substituto de Hulot no quadro de uma possível remodelação governamental, numa tentativa de conferir um novo impulso ao Executivo.

A Ifop-Fidicual refere-se também à própria personalidade de Macron que não é do agrado dos eleitores franceses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".