Macron regista os níveis de popularidade mais baixos desde que foi eleito

Analistas consideram que o escândalo com o agente de segurança do Palácio do Eliseu, assim como a demissão do ministro Nicolau Hulot, são responsáveis pela tendência

A popularidade do presidente francês, Emmanuel Macron, atingiu os níveis mais baixos de sempre durante o verão, indica uma sondagem publicada esta terça-feira na revista Paris Match.

A pesquisa realizada pelo instituto Ifop-Fiducial indica que se trata do nível mais baixo do mandato de Macron, sendo que apenas 31% dos franceses inquiridos se mostram satisfeitos com as ações do chefe de Estado.

O nível - que baixou dez pontos - é inferior ao do antecessor, o socialista François Hollande, verificado em igual período pelo mesmo instituto de sondagens.

Trata-se do valor mais baixo desde as eleições presidenciais de 2017, em que Macron derrotou a líder da extrema-direita Marine Le Pen e está abaixo dos 32% que o anterior presidente, François Hollande, registava decorrido o mesmo tempo de mandato, em setembro de 2013.

Os analistas responsáveis pela sondagem indicam que a baixa de popularidade foi causada pelo escândalo que envolveu o agente de segurança do Palácio do Eliseu, Alexandre Benalla, tornado público em julho, e pela demissão do ministro da Ecologia, o mediático Nicolau Hulot, que abandonou o governo na semana passada mostrando insatisfação pelos obstáculos contra os objetivos que defendia para a política de meio ambiente.

A falta de decisão sobre questões fiscais relacionadas com amortizações imobiliárias também é apontada como uma das causas que afetam a popularidade de Macron.

A questão tributária deve ser analisada hoje durante uma reunião que vai ser presidida por Macron que também deve anunciar o substituto de Hulot no quadro de uma possível remodelação governamental, numa tentativa de conferir um novo impulso ao Executivo.

A Ifop-Fidicual refere-se também à própria personalidade de Macron que não é do agrado dos eleitores franceses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.