Macron elogia Portugal no centenário de La Lys

Nas cerimónias oficiais da batalha da I Guerra Mundial, onde faleceram 1800 soldados nacionais, o presidente francês utilizou o Twitter para agradecer e enaltecer o espírito português

"Nós fundámos a Europa", é uma das legendas de uma foto que Emmanuel Macron partilhou esta segunda-feira no Twitter, rede social que utilizou para homenagear o povo português e agradecer-lhe a ajuda prestada na I Grande Guerra.

Tirada nas cerimónias oficiais dos 100 anos de Batalha de La Lys, nesta imagem vê-se o presidente francês ao lado do congénere português, Marcelo Rebelo de Sousa.

Os dois, juntamente com o primeiro ministro António Costa, homenagearam os 1800 soldados nacionais que faleceram em La Lys, na I Guerra Mundial.

Emmanuel Macron não escondeu a gratidão pela ajuda portuguesa e elogiou o País.

"7000 soldados portugueses foram mortos, feridos ou presos neste dia negro. Nunca vamos esquecer por que esses soldados portugueses morreram. Hoje, Portugal e França estão juntos como há 100 anos"

França "reconheceu o sacrifício" dos militares portugueses, devido designadamente à presença do chefe de Estado francês ao lado seu homólogo português no cemitério de Richebourg, onde estão enterrados os corpos de mais de 1800 soldados do chamado Corpo Expedicionário Português.

As cerimónias oficiais do Centenário da Batalha de La Lys, aconteceram domingo e segunda-feira, respetivamente em Paris e em Richebourg e La Couture - estas últimas, duas vilas da zona do norte da França onde se viveu o que o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa lembrou como sendo "o maior luto militar" nacional desde Alcácer Quibir.

Boris Johnson também elogia Portugal

Também o Ministro dos Negócios Estrangeiros britânico Boris Johnson elogiou a coragem portuguesa através do Twitter.

"Hoje marcamos o centenário da batalha de la Lys, reconhecendo os sacrifícios feitos pelas forças aliadas, e os soldados do corpo expedicionário português que mostraram atos de bravura extraordinária", escreveu.

O twett surge na sequência da inauguração do primeiro monumento britânico de homenagem aos soldados portugueses falecidos na I Guerra Mundial.

É um vitral que está em exposição na Igreja de St James, em Londres, local que era frequentado pelo rei Manuel II.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."