Macron é recebido pelo Papa e bate recorde de Obama da audiência mais longa

Presidente francês e líder da igreja católica discutiram temas como a crise migratória, a situação dos cristãos do Médio Oriente, as alterações climáticas e as ligações entre o Estado e a Igreja

No âmbito da sua visita a Itália, o presidente francês Emmanuel Macron encontrou-se também com o Papa Francisco no Vaticano. Houve tempo para debater vários assuntos da atualidade, entre os quais a crise migratória, a situação dos cristãos do Médio Oriente, as alterações climáticas e as ligações entre o Estado e a Igreja.

Em abril, Macron discursou no Colégio dos Bernardinos sobre a deterioração das relações entre o Estado e a Igreja, afirmando que "um Presidente da República que alega estar desinteressado da Igreja e dos católicos fracassaria no seu dever". Estas declarações foram bem recebidas por parte da Igreja Católica, mas foram vistas pela esquerda como um ataque ao secularismo.

O presidente francês chegou ao Vaticano acompanhado pela primeira-dama, Brigitte Macron. Depois de terem sido recebidos pelo número dois do Papa Francisco, Pietro Parolin, o chefe de Estado francês atravessou a sala Santo Ambrósio e a sala do trono e chegou à antecâmara da biblioteca, onde o líder da Igreja Católica o esperava.

Macron ofereceu a Francisco uma antiga edição em italiano de um livro intitulado Diário de um Pároco de Aldeia, escrito por George Bernanos, uma obra que disse ser do seu agrado. Em troca, o presidente francês recebeu um bronze com a efígie de São Martinho, pintada à mão e medindo 19,7 centímetros de diâmetro. São Martinho ficou conhecido pelo gesto de dividir o seu casaco e dá-lo a um homem pobre. A descrição da peça de Guido Veroi indica que "elementos de força, como a sua armadura, o seu cavalo e a sua espada tornam-se em instrumentos de solidariedade e de altruísmo".

O encontro teve a duração de 57 minutos, mais cinco do que a visita do então presidente dos Estados Unidos Barack Obama em 2014, estabelecendo um novo recorde.

Macron deverá convidar o Papa Francisco para visitar França, tal como o antecessor François Hollande o tinha feito. No entanto, esta não deverá ser uma prioridade a curto prazo para o Sumo Pontífice.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.