Macron e Putin de acordo sobre um mundo multilateral

Líderes de França e Rússia não escondem divergências, mas entendem-se nos negócios, no Irão e contra o unilateralismo

No final do segundo encontro no espaço de horas entre Vladimir Putin e Emmanuel Macron, o chefe de Estado francês reconheceu que estão em desacordo sobre uma série de temas mas não sobre a necessidade de um "forte multilateralismo". "O sistema de cooperação multilateral, que levou anos a ser construído, está a ser impedido de evoluir. Está a ser minado de forma muito grosseira. Quebrar as regras está a tornar-se a nova regra", disse o líder russo mais tarde, durante o Forum internacional económico de São Petersburgo.

Se ambos mostraram sintonia quanto à necessidade de manter o acordo nuclear com o Irão - Putin advertiu para as "lamentáveis consequências" caso fique sem efeito -, o francês terá conseguido o mínimo denominador quanto à Síria. O apoio militar russo garantiu a sobrevivência do regime de Bashar al-Assad, ao passo que Paris foi crítico do líder sírio desde o início da guerra. E em meados de abril a França, com os EUA e o Reino Unido, realizaram um ataque com mísseis contra alvos do regime de Damasco.

Ambos concordaram em criar um mecanismo de coordenação entre as potências mundiais para uma solução política na Síria, na qual o foco deve estar numa nova constituição e na criação de eleições que incluíssem todos os sírios. "A questão é construir uma Síria estável", disse Macron.

Macron viajou com uma delegação de patrões franceses e foram assinados cinco dezenas de contratos. Um dos primeiros acordos firmados, na presença dos dois líderes, inclui a entrada do grupo francês Total num novo projeto de gás natural liquefeito no Ártico russo. "Espero que a Rússia compreenda que a França é um parceiro europeu credível e de confiança", disse.

O líder francês deu ainda um sinal de apoio à oposição de Putin. Encontrou-se com um representante da ONG Memorial e com a viúva do escritor e dissidente Aleksandr Soljenítsin na noite de quinta-feira, e disse na conferência de imprensa que discutiu com o homólogo russo os casos dos realizadores Kirill Serebrennikov e Oleg Sentsov, ambos presos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.