Macron e Putin de acordo sobre um mundo multilateral

Líderes de França e Rússia não escondem divergências, mas entendem-se nos negócios, no Irão e contra o unilateralismo

No final do segundo encontro no espaço de horas entre Vladimir Putin e Emmanuel Macron, o chefe de Estado francês reconheceu que estão em desacordo sobre uma série de temas mas não sobre a necessidade de um "forte multilateralismo". "O sistema de cooperação multilateral, que levou anos a ser construído, está a ser impedido de evoluir. Está a ser minado de forma muito grosseira. Quebrar as regras está a tornar-se a nova regra", disse o líder russo mais tarde, durante o Forum internacional económico de São Petersburgo.

Se ambos mostraram sintonia quanto à necessidade de manter o acordo nuclear com o Irão - Putin advertiu para as "lamentáveis consequências" caso fique sem efeito -, o francês terá conseguido o mínimo denominador quanto à Síria. O apoio militar russo garantiu a sobrevivência do regime de Bashar al-Assad, ao passo que Paris foi crítico do líder sírio desde o início da guerra. E em meados de abril a França, com os EUA e o Reino Unido, realizaram um ataque com mísseis contra alvos do regime de Damasco.

Ambos concordaram em criar um mecanismo de coordenação entre as potências mundiais para uma solução política na Síria, na qual o foco deve estar numa nova constituição e na criação de eleições que incluíssem todos os sírios. "A questão é construir uma Síria estável", disse Macron.

Macron viajou com uma delegação de patrões franceses e foram assinados cinco dezenas de contratos. Um dos primeiros acordos firmados, na presença dos dois líderes, inclui a entrada do grupo francês Total num novo projeto de gás natural liquefeito no Ártico russo. "Espero que a Rússia compreenda que a França é um parceiro europeu credível e de confiança", disse.

O líder francês deu ainda um sinal de apoio à oposição de Putin. Encontrou-se com um representante da ONG Memorial e com a viúva do escritor e dissidente Aleksandr Soljenítsin na noite de quinta-feira, e disse na conferência de imprensa que discutiu com o homólogo russo os casos dos realizadores Kirill Serebrennikov e Oleg Sentsov, ambos presos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.