Macron anuncia criação de comando militar do Espaço

Presidente francês diz que o Espaço é uma "verdadeira questão de segurança nacional".

O presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou no sábado a criação de um comando militar do Espaço, destacando a importância desta área para a segurança nacional do país.

Macron discursava na véspera do desfile de 14 de julho, feriado nacional em França.

"Para garantir o desenvolvimento e fortalecimento de nossas capacidades espaciais, um comando militar do Espaço será criado em setembro próximo" na Força Aérea, que "acabará por se tornar na Força Aérea e Espaço", adiantou o chefe de Estado francês.

Macron falava na sede do Ministério do Exército, durante a receção tradicional que reúne a comunidade militar, na véspera do desfile nos Campos Elísios.

Apontando o Espaço como uma "verdadeira questão de segurança nacional", Emmanuel Macron tinha prometido, no ano passado, que iria dotar a França de "uma estratégia de defesa espacial".

"Agora está pronto", disse Macron.

"O novo projeto e doutrina militar que me foi proposto vai garantir a nossa defesa no espaço" sublinhou, acrescentando: "Vamos reforçar a nossa compreensão da situação espacial, é melhor proteger os nossos satélites, de forma ativa", o presidente francês a propósito deste investimento militar.

Espionagem, ataques cibernéticos, armas anti-satélite, o espaço tornou-se, segundo conselheiros militares, num campo de confronto entre nações, permitindo este projeto dotar a França com capacidade neste campo altamente estratégico e cada vez mais militarizado, a par das grandes potências militares.

A Lei de Planeamento Militar de França (LPM) prevê um orçamento de 3,6 biliões de euros para o espaço de defesa, o que deve, em particular, permitir financiar a renovação dos satélites franceses de observação e comunicação das OSC (Siracusa), lançar três satélites de escuta eletromagnética (CERES) em órbita e modernizar o radar de vigilância espacial.

Nos EUA, o Pentágono anunciou a intenção de estabelecer uma Força Espacial desejada pelo presidente Donald Trump, sujeita à aprovação do Congresso.

Esta força espacial será idêntica a outros corpos militares dos EUA, permanecendo no seio da Força Aérea, e reunirá todos os militares e civis que trabalham no setor espacial no Pentágono (satélites, foguetões, armas, tecnologias). A monitorização do Espaço será uma de suas prioridades.

Exclusivos