Macron: "A Europa já não pode delegar a sua segurança apenas aos Estados Unidos"

O Presidente francês Emmanuel Macron quer um acordo europeu na área da segurança. O anúncio foi feito, no palácio do Eliseu, durante a apresentação das orientações diplomáticas aos 250 embaixadores franceses

Durante seu discurso, esta segunda-feira, o chefe de Estado francês anunciou que vai apresentar "nos próximos meses", uma proposta para o reforço da segurança na Europa. O principal argumento de Emmanuel Macron, cheio de significado político, aponta para o afastamento entre a União Europeia e os EUA.

Afirmando que a Europa já não pode depender exclusivamente dos Estados Unidos para garantir a sua segurança, Macron avançou a proposta: "Cabe-nos a nós hoje assumir a responsabilidade e garantir a segurança e, portanto, a soberania europeia."

"Devemos tirar todas as consequências do fim da guerra fria", acrescentou Macron. Daí a necessidade de uma "reflexão abrangente sobre esses temas com todos os parceiros da Europa e, também, com a Rússia".

Para Macron, que avaliou subtilmente a tensão entre Bruxelas e Washington, se "as alianças ainda têm toda a sua relevância, (...) os equilíbrios, às vezes os automatismos, sobre os quais foram construídas, devem ser revisitados".

Por isso, Macron quer "revisitar a arquitetura europeia de defesa e segurança" e lançar "um novo diálogo sobre segurança cibernética, armas químicas, armas convencionais, conflitos territoriais, segurança no espaço e proteção das regiões polares, em particular com Rússia".

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.