Pelo menos um morto em Hong Kong à passagem do Pakhar

Um condutor de uma carrinha morreu depois de o veículo em que seguia se ter despistado durante a passagem do tufão

Pelo menos uma pessoa morreu hoje em Hong Kong à passagem do tufão Pakhar, que também causou o caos no aeroporto da cidade, antes de tocar terra no sul da China.

Um condutor de uma carrinha morreu depois de o veículo em que seguia se ter despistado numa autoestrada em Yuen Long, durante a passagem do tufão Pakhar por Hong Kong, por volta das 07:00 (00:00 em Lisboa), segundo a Rádio e Televisão de Hong Kong (RTHK).

A polícia disse que o homem perdeu o controlo do veículo e morreu na sequência de uma lesão no pescoço. Dois passageiros ficaram feridos e foram transportados para o hospital de Tuen Mun, na antiga colónia britânica.

As três vítimas eram colegas de trabalho e familiares, e tinham acabado de deixar o serviço.

Segundo informações preliminares, Hong Kong terá sido a cidade mais afetada pelo Pakhar.

Pelo menos 300 voos foram hoje cancelados em Hong Kong devido à passagem do tufão Pakhar, informou a autoridade aeroportuária da antiga colónia britânica.

Cinquenta aviões estavam esta tarde retidos nas pistas do aeroporto.

As autoridades de Hong Kong e de Macau hastearam o sinal 8 de tempestade tropical, o que implica a suspensão de certas atividades como serviços públicos e escolas. Em Hong Kong foram abertos 27 centros de acolhimento.

Em ambas as regiões, o sinal 8 foi substituído pelo sinal 3.

A escala de alerta de tempestades tropicais é formada pelos sinais 1, 3, 8, 9 e 10. Os sinais são hasteados tendo em conta a proximidade da tempestade e a intensidade dos ventos.

O tufão -- o 14.º desta temporada -- tocou terra hoje na cidade de Taishan, na província de Guangdong, pelas 09:00 (02:00 em Lisboa) com ventos de até 110 quilómetros por hora e chuvas intensas, depois de ter passado por Macau e Hong Kong.

O Serviço Meteorológico Nacional da China emitiu um alerta amarelo e advertiu sobre chuvas muito intensas em várias províncias do sul do país.

Este é o segundo tufão a passar pelas duas regiões administrativas especiais da China em menos de uma semana.

Em Macau, a passagem na quarta-feira do tufão Hato - o pior dos últimos 50 anos em Macau - causou dez mortos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?