Oito feridos, 16 inundações e 107 incidentes à passagem do Pakhar em Macau

Tufão Pakhar é o segundo a atingir o território em quatro dias

A Proteção Civil de Macau registou hoje oito feridos ligeiros, 16 inundações e 107 incidentes causados pela passagem do tufão Pakhar, o segundo a atingir o território em quatro dias.

Estes números contrastam com o rasto de destruição deixado pelo Hato, na passada quarta-feira, que causou pelo menos 10 mortos e mais de duas centenas de feridos e danos avultados ainda por avaliar.

Os incidentes registados hoje pelo Centro de Operações de Proteção Civil (COPC) de Macau prendem-se com a queda de objetos que ficaram suspensos devido à ação do Hato, disse o coordenador do COPC, Ma Io Kun, numa conferência de imprensa sobre o balanço dos trabalhos de limpeza e recuperação do território.

Os oito feridos ligeiros, quatro homens e quatro mulheres, foram assistidos já depois de emitido o sinal 8 de tufão.

A tempestade Pakhar "não foi de grande intensidade quando comparada com o Hato", destacou Ma Io Kun, referindo ainda a ocorrência de 16 inundações "sem gravidade", oito em Macau, seis na Taipa e duas em Coloane.

Nove árvores caíram com o Pahkar, por terem ficado fragilizadas com a ação do Hato, acrescentou.

No terminal marítimo do Porto Exterior ficaram retidas 100 pessoas, quando as ligações foram suspensas ao ser içado o sinal 8, disse. As ligações marítimas foram já retomadas.

O Gabinete de Desenvolvimento do Setor Energético indicou que a rede elétrica não sofreu qualquer impacto com o tufão Pakhar.

O sinal 8 de tempestade tropical foi substituído pelo sinal 3 pelas 13:00 (06:00 em Lisboa), quando o Pakhar se localizava a cerca de 150 quilómetros de Macau, movendo-se a uma velocidade de 25 km/h em direção a noroeste.

A escala de alerta de tempestades tropicais é formada pelos sinais 1, 3, 8, 9 e 10, que são emitidos tendo em conta a proximidade da tempestade e a intensidade dos ventos.

O sinal 3 indica que o centro da tempestade tropical movimenta-se de forma a que se façam sentir em Macau ventos entre 41 km/h e 62 km/h com rajadas de cerca de 110 km/h. O sinal 3 vai continuar içado "por mais algum tempo", segundo os Serviços Meteorológicos e Geofísicos de Macau.

O aviso de grau amarelo de 'Storm Surge', relativo às inundações costeiras, o mais baixo de uma escala de 3, foi emitido às 09:00 em Macau (02:00 em Lisboa) e cancelado às 15:00 (08:00).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.