Nova tempestade tropical esperada para o fim de semana

Um novo tufão deve atingir Macau no domingo, informaram esta sexta-feira as autoridades, quatro dias após a passagem do Hato, que causou nove mortos.

Sem afastar a possibilidade de içar o sinal 8 de tempestade, numa escala de 10, a porta-voz dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos (SMG) disse que a tempestade tropical Pakhar deve passar próxima de Macau às 12:00 (05:00 em Lisboa) de domingo.

A tempestade chegará ao território depois de atravessar as Filipinas em direção ao mar do Sul da China, no sábado, movendo-se para noroeste em direção à costa da província de Guangdong.

"Macau deve içar o sinal número 1 [sábado], dia 26, e existem altas possibilidades de ser içado sinal superior mais tarde", explicou Vera Varela.

No entanto, "devido à incerteza da trajetória e força da tempestade tropical não está descartada" essa hipótese [de aumentar o sinal], "caso este se desvie mais para oeste, ou seja, para próximo de Macau", ressalvou a porta-voz, indicando que o Pahkar deverá 'tocar' terra entre Zhanjiang (na província vizinha de Cantão) e Macau.

A porta-voz dos SMG alertou que "as inundações podem vir a ser mais sérias", se este cenário se verificar, pelo que "a população deve tomar todas as medidas de precaução necessárias e manter-se atualizada sobre as últimas informações", sublinhou Vera Varela.

A escala de alerta de tempestades tropicais é formada pelos sinais 1, 3, 8, 9 e 10.

Um milhar de militares da Guarnição em Macau do Exército de Libertação do Povo Chinês participam esta sexta-feira nos trabalhos de resposta à catástrofe causada pela passagem do tufão Hato.

A medida é inédita desde a transferência do antigo enclave português em 1999 para a China.

Segundo o Centro de Operações de Proteção Civil (COPC), esse foi o número de militares destacados às 10:00 (03:00 em Lisboa) para as zonas afetadas de Macau e das ilhas (Taipa e Coloane) para auxiliar nas ações de socorro, estando os trabalhos em curso.

A passagem do Hato por Macau na quarta-feira levou as autoridades a hastear o sinal máximo, o que não sucedia desde 1999. O território sofreu um 'apagão' generalizado nesse dia provocado pela aproximação daquele que foi o tufão mais forte em 50 anos.

A Companhia de Eletricidade de Macau (CEM) informou que às 10:00 de hoje (03:00 em Lisboa) 5500 de clientes estavam ainda sem luz, 2,2% do total, nas zonas da Almeida Ribeiro, Fai Chi Kei e Ilha Verde.

O abastecimento de água foi gravemente afetado e hoje ao início da tarde, ao fim de três dias, continuava sem estar totalmente restabelecido e a Sociedade de Abastecimento de Águas de Macau (SAAM) não garante que o problema fique hoje resolvido.

A península de Macau continua a ser a área mais afetada, mas a agência Lusa também confirmou a existência de casas sem água na Taipa e em Coloane.

A origem do problema na península está na estação de tratamento de águas da Ilha Verde, que abastece mais de metade da península.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.