Macau retira referências negativas aos portugueses nos novos manuais escolares

Versão final dos livros sobre a história de Macau vão excluir alegadas práticas de contrabando e corrupção durante a administração portuguesa.

O Governo de Macau garantiu esta quarta-feira que os conteúdos sobre alegadas atividades de contrabando e corrupção dos portugueses, durante o período da administração em Macau, não vão ser incluídos na versão final dos novos manuais escolares.

"Relativamente ao conteúdo de manuais de história que incluem referências negativas sobre a passagem dos portugueses pelo território, [...] a associação dos portugueses a atividades de contrabando e corrupção não será incluída na versão final dos mesmos", pode ler-se no comunicado divulgado pelo gabinete do secretário para os Assuntos Sociais e Cultura.

Na semana passada foi noticiado por vários jornais locais que as propostas de manuais de história de Macau elaborados pela editora oficial da China, Editora Executiva Popular, incluíam referências negativas sobre a passagem e a administração dos portugueses em Macau.

Os manuais escolares estão "em fase de consulta, não é a versão final", já tinha afirmado o secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam, durante as comemorações do 10 de Junho, na residência consular portuguesa no território.

"Após contactos com a Direção dos Serviços de Educação e Juventude e com a editora responsável pelo conteúdo dos manuais", essas passagens foram retiradas dos manuais escolares, garantiram as autoridades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.