Macau retira referências negativas aos portugueses nos novos manuais escolares

Versão final dos livros sobre a história de Macau vão excluir alegadas práticas de contrabando e corrupção durante a administração portuguesa.

O Governo de Macau garantiu esta quarta-feira que os conteúdos sobre alegadas atividades de contrabando e corrupção dos portugueses, durante o período da administração em Macau, não vão ser incluídos na versão final dos novos manuais escolares.

"Relativamente ao conteúdo de manuais de história que incluem referências negativas sobre a passagem dos portugueses pelo território, [...] a associação dos portugueses a atividades de contrabando e corrupção não será incluída na versão final dos mesmos", pode ler-se no comunicado divulgado pelo gabinete do secretário para os Assuntos Sociais e Cultura.

Na semana passada foi noticiado por vários jornais locais que as propostas de manuais de história de Macau elaborados pela editora oficial da China, Editora Executiva Popular, incluíam referências negativas sobre a passagem e a administração dos portugueses em Macau.

Os manuais escolares estão "em fase de consulta, não é a versão final", já tinha afirmado o secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam, durante as comemorações do 10 de Junho, na residência consular portuguesa no território.

"Após contactos com a Direção dos Serviços de Educação e Juventude e com a editora responsável pelo conteúdo dos manuais", essas passagens foram retiradas dos manuais escolares, garantiram as autoridades.

Ler mais

Exclusivos