Lusodescendente vencedora de concurso nos EUA é celebridade em Toronto

Michelle Cabral conseguiu amealhar 60.400 mil dólares canadianos (39 mil euros) no Jeopardy

Uma lusodescendente vencedora três séries do popular concurso norte-americano Jeopardy é agora uma celebridade em Toronto.

Michelle Cabral, uma professora de música no Conselho Distrital Escolar Católico de Toronto, conseguiu amealhar 60.400 mil dólares canadianos (39 mil euros) numa experiência que considera "além das expetativas".

"Participar no Jeopardy foi além de todas as minhas expectativas. Desde criança que quero participar. A experiência foi tudo o que esperava, independentemente se ganhasse ou perdesse", afirmou a lusodescendente em declarações à agência Lusa.

Um dos fatores que a levou ao sucesso foi a "interajuda dos concorrentes", apesar de "todos estarem em competição", com "muito nervosismo à mistura".

Há nove anos que Michelle Cabral tem tentado "entrar no concurso" através de um teste online, que está acessível anualmente, que junta cerca de 75 mil candidatos.

Após este processo foram selecionados para a audição três mil, passando à próxima fase apenas 400 candidatos.

"Foi sem dúvida um sonho que se tornou realidade. Foi sempre algo que pensei que seria uma experiência fantástica se tivesse a oportunidade. Só tinha de acertar nas respostas certas no teste online para impressionar os produtores. O resto foi o destino. Todos os dias dou graças para ter esta hipótese, de viver este sonho. Há pessoas que não têm esta chance. Sou uma sortuda", confessou.

Com o prémio monetário do concurso, a lusodescendente já tem alguns planos: conhecer outras regiões do Canadá e visitar outros países.

Outro dos objetivos é ter "alguma segurança financeira", o que não sucede com "muitos dos jovens", e começar a "juntar dinheiro para adquirir uma habitação em Toronto ou perto da cidade".

"Vou continuar a dar aulas e espero ser um bom exemplo para os meus alunos. Espero que possa inspirá-los para que nunca, mas nunca parem de aprender e explorar as suas paixões", apelou.

Michelle Cabral é filha de emigrantes de Água Retorta, São Miguel (Açores). A sua mãe chegou ao Canadá em 1960, enquanto o seu pai foi inicialmente para Fall River, Massachusetts (Estados Unidos). Depois, casaram-se no Canadá na década de 1970.

"Estava consciente de que, ao participar, não estava só a representar o Canadá, país onde nasci e fui criada, mas também o país dos meus familiares, e a comunidade onde cresci. Há uns anos também no Jeopardy esteve um concorrente do Canadá, com raízes açorianas. Fiquei tão entusiasmada que pensei. Talvez um dia também possa lá estar", conclui.

O Jeopardy é um concurso de televisão, de perguntas e respostas, produzido nos Estados Unidos, emitido pela primeira vez em 1964.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.