Luso-descendentes juntam-se às manifestações contra Nicolás Maduro

Muitos luso-descendentes juntaram-se hoje à marcha dos opositores ao Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, por considerarem que a crise afeta toda a gente e "não há um discurso convincente" da parte do Executivo, que aponte para "soluções rápidas e efetivas".


"Estou aqui (em Chacao, leste de Caracas), porque quero ver mudanças no país, quero ver soluções efetivas para a crise e porque as medidas do Governo não trazem nada de novo, apenas decretos, anúncios, mexidas de ministros, enquanto a situação se agrava cada dia mais", disse uma luso-descendente à agência Lusa.

Com 25 anos de idade, filha de madeirenses, Maria Encarnación Figueira, está a terminar estudos de arquitetura, e "quer ver, de imediato, mudanças no país", um "desejo que contrasta com uma realidade, onde cada dia há menos soluções e mais crise".

"Não quero imitar os meus pais e ter de emigrar para conseguir melhor vida. Emigrar é uma decisão muito dura, que exige valentia e capacidade de adaptação. Não sei se teria capacidade de resistência para isso e espero não ter de chegar a esse extremo", disse.

Já Luís Freitas, 22 anos, marchou porque quer "melhores condições de vida, voltar a ser o jovem estudante feliz que era até há poucos anos".

"Estou a estudar para ser advogado. O Direito, tal como todas as outras profissões, tem sido afetado pela situação jurídica, política e económica venezuelana. Hoje deveria estar a rever matéria e optei por vir para cá, porque é preciso exigir mudanças", disse Luís Freitas.

Filho de um emigrante natural de Aveiro, este luso-descendente queixou-se de que, em "grande parte" do tempo que deveria dedicar a estudar, anda "de supermercado em supermercado à procura de coisas que faltam em casa e sem a garantia de que as conseguirá".

"Você pergunta-me porque devo marchar e eu contraponho: que motivos teria para não marchar, se a cada dia as coisas estão mais difíceis e o Governo o que faz é repetir sempre o mesmo discurso, que o capitalismo não serve, que o modelo ideal é o socialismo, que a direita está em guerra, e isso não conduz a nenhuma melhoria nas condições da população", afirmou.

Milhares de venezuelanos concentraram-se hoje em 15 dos 23 Estados da Venezuela respondendo a uma convocatória da Mesa de Unidade Democrática (MUD).

A convocatória marcou o início de ações para exigir a renúncia do Presidente Nicolás Maduro.

No dia 08 de março, a MUD anunciou o lançamento do "processo" para a realização de um referendo de revogação do mandato presidencial de Nicolás Maduro.

Para afastar o chefe de Estado, a oposição convocou os venezuelanos para realizarem, a partir de hoje, marchas nacionais, ao mesmo tempo que anunciou que vai avançar com uma reforma constitucional para reduzir a duração do mandado presidencial de seis para quatro anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).