Lula recebe bênção do Papa e visita de Chico Buarque

Na véspera de se tornar o candidato oficial do PT às eleições, o antigo presidente brasileiro foi abençoado por Francisco e ouviu de Chico Buarque e de Martinho da Vila palavras de apoio.

Apesar de preso e condenado, o ex-presidente e candidato a candidato à presidência do Brasil continua a receber o apoio de largos setores da sociedade brasileira. E até fora.

Na quinta-feira, Lula recebeu uma mensagem do Papa Francisco na prisão. "A Luiz Inácio Lula da Silva, com a minha bênção, pedindo-lhe para orar por mim. Francisco."

A mensagem foi escrita num exemplar do seu livro A verdade vencerá, compilação de entrevistas ao antigo sindicalista, entregue em mão a Jorge Bergoglio. O Papa recebeu em audiência o ex-ministro das Relações Exteriores do governo de Lula, Celso Amorim, bem como o antigo ministro argentino Alberto Fernández e o ex-senador chileno Carlos Ominami.

A audiência, "histórica", nas palavras de Celso Amorim, durou uma hora. "O assunto principal foi a situação do presidente Lula, que acompanha com interesse e preocupação", disse Celso Amorim.

Não troca dignidade pela liberdade

No mesmo dia, Lula da Silva recebeu uma visita especial na prisão de Curitiba: os cantores Chico Buarque e Martinho da Vila.

"Ele disse que enquanto não provar a sua inocência não troca a liberdade pela dignidade", conta Martinho da Vila no final da visita, num vídeo publicado no Twitter de Lula.

"Não é só a liberdade do Lula, é a liberdade de imprensa que está sendo desrespeitada", disse por sua vez Chico Buarque.

O ex-presidente do Brasil entre 2003 e 2010, de 72 anos, cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. Condenado em segunda instância, Lula recorreu para os tribunais superiores.
Afirma ser vítima de uma conspiração para impedi-lo de concorrer à eleição presidencial de outubro.

No sábado, o Partido dos Trabalhadores oficializa a sua candidatura. Segundo algumas sondagens, Lula recebe 30% das intenções de voto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.