Lula lidera segunda sondagem em dois dias

Pelo segundo dia consecutivo, antigo presidente aparece no topo de uma pesquisa de opinião, com 37%. No cenário que o exclui, Bolsonaro está na frente

Lula da Silva (PT) reuniria 37% dos votos, se as eleições fossem hoje, e se o antigo presidente, preso por corrupção, pudesse concorrer, revelou a primeira sondagem do Instituto Ibope, em colaboração com a TV Globo e com o jornal O Estado de S. Paulo, desde o início da campanha eleitoral. Caso Lula seja substituído por Fernando Haddad como concorrente do PT, o cenário mais provável, é Jair Bolsonaro (PSL) quem está na dianteira, com 20 pontos. Dados semelhantes ao da sondagem CNT/MDA conhecida horas antes. Até ao fim da semana o instituto Datafolha apresentará os seus resultados.

Na hipótese de Lula concorrer, a seguir ao ex-sindicalista surge, com menos de metade dos votos, Bolsonaro, com 18%. A terceira, Marina Silva (Rede), com 6%, o quarto, Geraldo Alckmin (PSDB), e o quinto, Ciro Gomes (PDT), ambos com 5%, ficam a larga distância.

Excluído Lula, passariam à segunda volta Bolsonaro, com os tais 20%, e Marina, que duplica a sua votação e apresenta 12%. Ciro cresce mais na ausência de Lula (chega a 9%), do que Alckmin (passa para 7%). Haddad, o escolhido para ser alternativa no PT, soma meros 4%, pouco mais de um décimo do registo do antigo presidente.

Noutra pergunta da sondagem, que ouviu 2002 brasileiros de 142 municípios entre os dias 17 e 19 de agosto, 60% dizem não votar em Haddad nem mesmo se Lula pedir. Não sabem, não respondem ou não conhecem bem o ex-prefeito de São Paulo 12%. Já 27% votariam certamente, ou eventualmente, nele.

A primeira volta da eleição está marcada para 7 de outubro e a segunda para 28 do mesmo mês.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.