Lula declara património de 1,8 milhões de euros

Dois oito candidatos que informaram os seus rendimentos, o antigo presidente é o segundo mais rico. Muito atrás do banqueiro João Amoêdo e à frente de Bolsonaro

Lula da Silva informou que possui um património líquido de 7,8 milhões de reais (cerca de 1,8 milhões de euros) nos documentos entregues no Tribunal Superior Eleitoral para registo da sua candidatura à presidência da República, segundo informa o site Infomoney. O valor faz de Lula o segundo candidato mais rico de entre aqueles que divulgaram essa informação - não há dados sobre Henrique Meirelles, do MDB, por exemplo, que é reconhecidamente multimilionário, nem de Álvaro Dias ou Marina Silva, só para falar dos principais candidatos.

No total, 13 candidatos concorrem ao Planalto em outubro mas só oito deram informações sobre património.

A maior parte do património de Lula - 78,5% - resulta de um fundo de previdência privada. Da declaração constam ainda apartamentos, terrenos e automóveis.

O candidato mais rico é, de longe, o ex-banqueiro João Amoêdo, do Partido Novo, com fortuna líquida superior a 425 milhões de reais, ou seja, perto de 100 milhões de euros. Jair Bolsonaro (PSL) declarou o equivalente a 500 mil euros, Ciro Gomes (PDT) a 400 mil euros e Geraldo Alckmin (PSDB) a 320 mil euros.

Em São Paulo

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.