Lula declara património de 1,8 milhões de euros

Dois oito candidatos que informaram os seus rendimentos, o antigo presidente é o segundo mais rico. Muito atrás do banqueiro João Amoêdo e à frente de Bolsonaro

Lula da Silva informou que possui um património líquido de 7,8 milhões de reais (cerca de 1,8 milhões de euros) nos documentos entregues no Tribunal Superior Eleitoral para registo da sua candidatura à presidência da República, segundo informa o site Infomoney. O valor faz de Lula o segundo candidato mais rico de entre aqueles que divulgaram essa informação - não há dados sobre Henrique Meirelles, do MDB, por exemplo, que é reconhecidamente multimilionário, nem de Álvaro Dias ou Marina Silva, só para falar dos principais candidatos.

No total, 13 candidatos concorrem ao Planalto em outubro mas só oito deram informações sobre património.

A maior parte do património de Lula - 78,5% - resulta de um fundo de previdência privada. Da declaração constam ainda apartamentos, terrenos e automóveis.

O candidato mais rico é, de longe, o ex-banqueiro João Amoêdo, do Partido Novo, com fortuna líquida superior a 425 milhões de reais, ou seja, perto de 100 milhões de euros. Jair Bolsonaro (PSL) declarou o equivalente a 500 mil euros, Ciro Gomes (PDT) a 400 mil euros e Geraldo Alckmin (PSDB) a 320 mil euros.

Em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.