Lula da Silva na frente em novas sondagens para presidenciais de outubro no Brasil

O atual presidente Michel Temer, que pode recandidatar-se, reúne 2% das intenções de voto

O ex-presidente brasileiro Lula da Silva permanece à frente das intenções de voto para as eleições presidenciais de outubro, segundo uma sondagem do Datafolha hoje divulgada.

Preso a 07 de abril, o candidato, fundador do Partido dos Trabalhadores, reúne 31% das intenções de voto, seguido do candidato de extrema direita Jair Bolsonaro, com 15%.

Marina Silva, ex-ministra do ambiente do governo de Lula, conta com 10% das intenções de voto.

Esta sondagem do Datafolha, realizada entre os dias 11 e 13 de abril, revela um recuo do ex-chefe de estado que, nas sondagens de janeiro, tinha conseguido 37% das intenções de voto, contra 16% de Bolsonaro.

O atual presidente Michel Temer, que pode recandidatar-se, reúne 2% das intenções de voto.

O ex-Presidente brasileiro começou a cumprir pena em Curitiba em conformidade com uma ordem judicial pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável por julgar os casos de corrupção relacionados a Operação Lava Jato.

Em junho do ano passado o juiz Sérgio Moro condenou Lula da Silva a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e branqueamento de capitais, num processo em que foi considerado culpado de receber como suborno um apartamento de luxo da Construtora OAS.

Essa sentença foi ratificada e a pena ampliada para 12 anos e um mês de prisão pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4), um tribunal de segunda instância, em janeiro, que também determinou a prisão imediata do antigo chefe de Estado depois que se esgotassem todos os recursos naquele tribunal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.