Lula da Silva diz ser vítima de "pacto diabólico" para impedir a sua candidatura

Há um "pacto do mal entre a acusação, a polícia federal e a imprensa", defende o ex-presidente

O ex-Presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva disse esta quarta-feira que existe um "pacto diabólico" para o impedir de concorrer nas eleições presidenciais de 2018.

"O verdadeiro crime cometido neste país é um pacto do mal entre a acusação, a polícia federal e a imprensa", disse o ícone da esquerda brasileira durante um discurso em Brasília, na presença de muitos eleitos do Partido dos Trabalhadores (PT), formação que ele fundou em 1989. Segundo Lula da Silva, o objetivo deste "pacto" é "impedir que o PT volte ao poder".

Na terça à noite um tribunal de apelação fixou uma data para a sua decisão sobre um recurso à sentença do ex-Presidente para 24 de janeiro.

Para os seus advogados, o procedimento avançou "em tempo recorde" para acabar qualquer possibilidade de candidatura do ex-Presidente, que está no topo das sondagens.

No seu discurso em Brasília, Lula da Silva negou que esteja a lutar para ser um candidato "apenas para se esconder uma alegada culpa". "Eu só quero que minha inocência seja reconhecida", disse.

Em julho, o ex-chefe de Estado brasileiro foi condenado a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro.

Lula da Silva é acusado de ter sido subornado pela construtora da OAS, que lhe teria oferecido um apartamento de luxo na cidade do Guarujá em troca de favores na obtenção de contratos públicos com a petrolífera estatal Petrobras.

O ex-Presidente é alvo de mais seis processos judiciais.

Todavia, disse que seu julgamento era "mais como um ato político do que um ato legal".

Se for condenado em segunda instância, o ex-Presidente pode acabar atrás das grades e não ser candidato nas eleições em 2018, embora alguns juristas indiquem que outros recursos são possíveis.

Alguns grupos militantes de esquerda anunciaram hoje nas redes sociais a intenção de "ocupar Porto Alegre", cidade onde o julgamento deste recurso será realizado no final de janeiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.