Lula da Silva diz ao PT para escolher outro candidato nas presidenciais

"Eu gostaria que vocês se sentissem completamente livres para tomar qualquer decisão porque 2018 é um ano muito importante"

O ex-Presidente do Brasil Lula da Silva, preso por corrupção, deu luz verde ao seu partido para encontrar outro candidato para as próximas eleições presidenciais no Brasil porque provavelmente estará fora da corrida.

"Eu gostaria que vocês se sentissem completamente livres para tomar qualquer decisão porque 2018 é um ano muito importante para o PT, para a esquerda e para a democracia [do Brasil]", escreveu Lula da Silva numa carta enviada à líder do seu partido, a senadora Gleisi Hoffmann.

O Partido dos Trabalhadores (PT), no entanto, confirmou rapidamente a continuidade de sua candidatura.

Um dirigente político do PT, Alexandre Padilha, colocou um vídeo na rede social Facebook em que Gleisi Hoffmann aparece a ler parte da carta enviada por Lula da Silva.

Logo após a publicação deste vídeo, Gleisi Hoffmann indicou na sua conta no Facebook que o PT mantinha a candidatura de Lula da Silva.

As pessoas querem que Lula esteja livre e que Lula seja Presidente! Não há plano B porque Lula é inocente

O PT também não tem um Plano B já que nenhum outro líder tem o carisma ou a experiência do antigo chefe de Estado brasileiro, que deixou o Governo com 83% de aprovação em 2010, mas acabou envolvido numa série de escândalos de corrupção.

Na carta, Lula da Silva disse estar "feliz" com o resultado da última pesquisa Datafolha, na qual aparece a liderar as intenções de voto para as presidenciais com 31%.

Condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e branqueamento de capitais, o antigo chefe de Estado começou a cumprir pena no passado dia 07 de abril, na sede da Polícia Federal na cidade de Curitiba

Na noite de segunda-feira, os seus advogados entraram com novos processos legais contra sua prisão.

Lula da Silva até agora só foi visitado pelos seus advogados e familiares, mas alguns dos seus amigos, como a ex-Presidente Dilma Rousseff, que lhe sucedeu no cargo, e outros políticos brasileiros, não tiveram autorização para o visitar.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".