Lula da Silva admite candidatura à Presidência do Brasil em 2018

Lula da Silva, que em 2018 terá 72 anos, afirmou que será candidato se o Partido dos Trabalhadores entender que é necessário

O ex-Presidente do Brasil Lula da Silva admitiu no sábado candidatar-se de novo ao cargo nas eleições previstas para 2018.

Lula da Silva disse, num discurso no Rio de Janeiro, na festa do 36.º aniversário do Partido dos Trabalhadores (PT), que em 2018 terá 72 anos, mas a força dos 30 "para ser candidato à Presidência da República", sublinhando que o afirmava "alto e bom som".

Segundo noticia a imprensa brasileira, Lula da Silva afirmou que será candidato se o PT entender que isso é necessário.

No mesmo discurso, manifestou apoio pessoal e do PT à atual Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, e negou as suspeitas de corrupção em que tem sido envolvido, acusando o Ministério Público de estar de obedecer a alguns meios de comunicação social.

O ex-Presidente está a ser investigado pelo Ministério Público por haver a suspeita de que é o dono de um apartamento em Guarajá, estado de São Paulo, registado em nome da construtora OAS, envolvida no escândalo da Petrobras, e de uma propriedade rural no mesmo estado, que costuma frequentar e onde foram feitas obras por empresas também ligadas ao caso da petrolífera estatal.

Segundo noticia a Folha de São Paulo, na festa do PT no Rio de Janeiro, Lula da Silva disse pela primeira vez que a propriedade rural em causa foi um presente de um amigo e negou qualquer relação com o apartamento.

"Eu digo que não tenho o apartamento. A empresa diz que não é meu. E um cidadão do Ministério Público, obedecendo 'ipsis literis' [literalmente] ao jornal O Globo e à Rede Globo, costuma dizer que (...) é meu", afirmou, segundo a citação da Folha de São Paulo.

O alegado pagamento de subornos realizado por grandes companhias a ex-funcionários da Petrobras em troca de contratos, investigado pela operação Lava Jato, já levou a prisão de dezenas de políticos e empresários no Brasil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.