Lordes querem parlamento com poder de veto sobre acordo com a UE

Foi a segunda emenda aprovada na câmara alta que vai contra a vontade do governo liderado por Theresa May

A Câmara dos Lordes aprovou esta terça-feira uma proposta de emenda à lei para a notificação da saída do Reino Unido da UE que determina que o parlamento terá poder de veto sobre os termos do acordo negociado com Bruxelas.

A emenda diz que a primeira-ministra, Theresa May, "não pode concluir um acordo com a União Europeia no âmbito do artigo 50.º do Tratado da União Europeia (UE) sobre os termos da saída do Reino Unido da União Europeia sem a aprovação das duas câmaras do parlamento".

Os deputados e lordes devem também votar o modelo da futura relação com a UE, refere ainda a emenda, que foi aprovada por 366 votos, contra 268 votos desfavoráveis.

Esta foi a segunda emenda aprovada na câmara alta contra a vontade do governo britânico, que se juntou a uma outra proposta para que Theresa May garanta os direitos dos cidadãos da UE residentes no Reino Unido.

Dezenas de propostas de emendas foram rejeitadas, como a que propunha um segundo referendo ao resultado das negociações e que foi votada ao início da tarde.

A totalidade dos 220 lordes do partido Conservador foi acompanhada por uma grande parte dos membros independentes e de alguns afetos aos partidos Liberal Democrata e Trabalhista, somando 336 votos e derrotando a proposta por uma diferença de 205 votos, contra apenas 131 a favor.

Um porta-voz do executivo britânico reiterou o compromisso de os parlamentares britânicos serem chamados para uma "votação significativa" sobre o resultado das negociações.

Porém, a emenda que foi aprovada esta terça-feira permite que esta promessa seja formalizada e inscrita na lei.

O governo defende que a atual proposta de Lei da União Europeia (Notificação de Saída), composta apenas por 137 palavras, deve ser aprovada sem emendas, tal como aconteceu na Câmara dos Comuns.

"A lei é muito simples. É apenas um mecanismo para ativar o Artigo 50.º [do Tratado de Lisboa] e iniciar o processo de negociação para sair da UE", vincou o mesmo porta-voz.

Num depoimento divulgado após o voto na Câmara dos Lordes, o ministro para o Brexit, David Davis, considerou o resultado "dececionante".

"É evidente que alguns [na Câmara dos] Lordes estão a tentar frustrar o processo, e é isso que o governo vai tentar que não aconteça. Vamos agora tentar reverter estas emendas na Câmara dos Comuns", avisou.

Ao final do dia de hoje realiza-se na Câmara dos Lordes a votação ao texto final da lei, a qual se espera que passe, apesar do voto contra declarado antecipadamente pelos Liberais Democratas.

Mas por causa das duas propostas de alteração ao texto, a lei vai voltar à Câmara dos Comuns na próxima semana para que estas sejam discutidas e votadas.

O processo legislativo britânico prevê que as propostas de lei circulem entre as duas câmaras como uma bola de "ping-pong", termo pelo qual é conhecido a alternância, até ser encontrado um consenso.

Apesar da incerteza sobre por quanto tempo se vai prolongar este processo, Downing Street mantém o final do mês como prazo para notificar Bruxelas da decisão de sair da UE.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.