Lord Mayor de Sheffield bane Donald Trump

Britânico de origem somali, Magid Magid tem 28 anos e, desde maio, é o mais jovem Lord Mayor de Sheffield. Pelo Twitter solidarizou-se com os mexicanos da cidade inglesa e apelidou o presidente norte-americano, esperado no Reino Unido no dia 13, de desperdício

"Eu, Magid Magid, Lord Mayor e primeiro cidadão desta cidade declaro que não só Donald J Trump (@realDonaldTrump) é um DESPERDÍCIO, como também está banido desta grande cidade que é Sheffield!. Declaro o dia 13 de julho como dia de solidariedade para com o México", escreveu o jovem Lord Mayor de Sheffield, sexta cidade mais populosa de Inglaterra, no Reino Unido.

Magid Magid surge, na fotografia que acompanha o tweet, com uma T-shirt a dizer "Donald Trump é um desperdício" e, na cabeça, com um sombrero, chapéu tipicamente mexicano. O britânico de origem somali, de 28 anos, tornou-se em maio o mais jovem Lord Mayor de Sheffield. Este é um cargo mais cerimonial e social do que político e não deve ser confundido com o cargo de mayor.

Saído do Partido Verde, Magid veio para o Reino Unido como refugiado, em 1994. Formado em Biologia Marinha pela Universidade de Hull, tendo sido eleito presidente da associação de estudantes de Hull. Trabalhou em marketing digital e foi eleito conselheiro no council de Sheffield pelo Partido Verden em 2016. Entre 2017 e maio deste ano, foi vice-Lord Mayor, sendo há dois meses o novo Lord Mayor.

Donald Trump tem previsto deslocar-se ao Reino Unido no dia 13. Para uma visita de trabalho. Após várias polémicas. Na sua conta de Twitter, Magid enumera as razões pelas quais é contra o presidente dos Estados Unidos e o quer banir, mesmo que simbolicamente, de Sheffield. "Por ter decidido banir de forma ridícula os muçulmanos, por se ter retirado, de forma estúpida, do Acordo de Paris sobre o Clima, por ter decidido transferir a embaixada dos EUA para Jerusalém, por ter ordenado a detenção de crianças na fronteira [com o México], por defender a violência e as ações dos supremacistas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.