Testemunha viu passageiros a correr "cobertos de sangue"

Uma mulher que estava na plataforma enquanto os passageiros saíam da carruagem do metro assinalou que "do outro extremo da carruagem podia ver-se uma bola de fogo"

Robyn Frost, uma passageira que estava esta sexta-feira na carruagem do metro de Londres onde ocorreu uma explosão, afirmou que "as pessoas corriam pela estação cobertas de sangue, a gritar e a tentar fugir".

Vários passageiros ficaram feridos com queimaduras no rosto após a explosão de um balde de plástico dentro de um saco de supermercado numa carruagem de um comboio na estação de metro de Parsons Green, no sudeste da capital britânica, segundo vários meios de comunicação social.

Testemunhos no local relataram que as pessoas saíam do metro a chorar e a gritar em pânico cerca das 08:21.

Richard Aylmer-Hall, de 53 anos, um dos passageiros, estava sentado no meio do caminho quando tudo aconteceu e destacou que várias pessoas estavam feridas e a fugir, tendo muitas delas sido pisadas quando tentavam escapar.

Uma mulher que estava em pé na plataforma enquanto os passageiros saíam da carruagem do metro assinalou que "do outro extremo da carruagem podia ver-se uma bola de fogo".

Ao tentar fugir de Parsons Green, muitos dos passageiros ficaram com cortes e contusões, pelo que tiveram de ser assistidos pelas ambulâncias que estavam no local.

Um outro passageiro disse à BBC que ouviu "uma explosão muito forte" e quando olhou para trás viu um saco queimado, mas de início não relacionou com o ocorrido.

"Vi pessoas com lesões leves, queimaduras na cara, braços, pernas, mas todos estavam a ajudar-se uns aos outros", disse.

A polícia britânica está a encarar a explosão ocorrida no metropolitano de Londres como um "incidente terrorista", refere a Associated Press.

Testemunhas relatam que se verificou uma explosão num comboio que se encontrava na estação de Parssons Green (District Line) no sudoeste de Londres o que provocou o pânico entre os passageiros.

Os bombeiros de Londres estão a organizar a retirada dos passageiros da estação de Parssons Green.

Fotografias captadas dentro do comboio afetado mostram um balde de plástico dentro de um saco de supermercado onde se veem chamas e, provavelmente, fios elétricos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.