Testemunha viu passageiros a correr "cobertos de sangue"

Uma mulher que estava na plataforma enquanto os passageiros saíam da carruagem do metro assinalou que "do outro extremo da carruagem podia ver-se uma bola de fogo"

Robyn Frost, uma passageira que estava esta sexta-feira na carruagem do metro de Londres onde ocorreu uma explosão, afirmou que "as pessoas corriam pela estação cobertas de sangue, a gritar e a tentar fugir".

Vários passageiros ficaram feridos com queimaduras no rosto após a explosão de um balde de plástico dentro de um saco de supermercado numa carruagem de um comboio na estação de metro de Parsons Green, no sudeste da capital britânica, segundo vários meios de comunicação social.

Testemunhos no local relataram que as pessoas saíam do metro a chorar e a gritar em pânico cerca das 08:21.

Richard Aylmer-Hall, de 53 anos, um dos passageiros, estava sentado no meio do caminho quando tudo aconteceu e destacou que várias pessoas estavam feridas e a fugir, tendo muitas delas sido pisadas quando tentavam escapar.

Uma mulher que estava em pé na plataforma enquanto os passageiros saíam da carruagem do metro assinalou que "do outro extremo da carruagem podia ver-se uma bola de fogo".

Ao tentar fugir de Parsons Green, muitos dos passageiros ficaram com cortes e contusões, pelo que tiveram de ser assistidos pelas ambulâncias que estavam no local.

Um outro passageiro disse à BBC que ouviu "uma explosão muito forte" e quando olhou para trás viu um saco queimado, mas de início não relacionou com o ocorrido.

"Vi pessoas com lesões leves, queimaduras na cara, braços, pernas, mas todos estavam a ajudar-se uns aos outros", disse.

A polícia britânica está a encarar a explosão ocorrida no metropolitano de Londres como um "incidente terrorista", refere a Associated Press.

Testemunhas relatam que se verificou uma explosão num comboio que se encontrava na estação de Parssons Green (District Line) no sudoeste de Londres o que provocou o pânico entre os passageiros.

Os bombeiros de Londres estão a organizar a retirada dos passageiros da estação de Parssons Green.

Fotografias captadas dentro do comboio afetado mostram um balde de plástico dentro de um saco de supermercado onde se veem chamas e, provavelmente, fios elétricos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.