Merkel: "Devemos intensificar luta contra terrorismo"

Chanceler alemã reiterou o seu apoio "a todos os britânicos"

A chanceler alemã, Angela Merkel, expressou hoje o seu apoio aos feridos e "a todos os britânicos" após o atentado no metro de Londres, adiantando que é necessário continuar o combate internacional ao terrorismo islâmico.

"Os nossos pensamentos estão com o povo britânico e isto reforça o facto de devermos intensificar e melhorar ao nível internacional a luta contra o terrorismo islâmico", afirmou Merkel à margem de um encontro em Berlim com o primeiro-ministro francês, Edouard Philippe.

"Recentemente ocorreram ataques em Barcelona, mas também em França e na Alemanha. E hoje Londres foi também afetada. Estamos, portanto, com o Reino Unido, com o seu governo, mas antes de tudo com os britânicos", adiantou a chanceler.

Pelo menos 22 pessoas ficaram feridas na explosão de hoje na estação de Parsons Green do metro londrino. As chamas deflagraram às 08:21 (mesma hora em Lisboa), no interior de um comboio com capacidade para transportar 865 passageiros.

O primeiro-ministro francês disse igualmente que os seus pensamentos estavam como os "feridos do atentado de Londres (...) e também com os militares alvos de um ataque no metro parisiense" hoje manhã, neste caso sem vítimas.

"Os dois acontecimentos mostram como estamos, coletivamente, em França, no Reino Unido, mas também na Alemanha, sob um nível de ameaça elevado, ao qual devemos dar respostas (...) para garantir as melhores condições de segurança possíveis", declarou Edouard Philippe.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.