Londres rejeita pedido do Equador para conceder estatuto diplomático a Assange

Governo britânico lembrou que a única solução é fundador do WikiLeaks entregar-se à justiça

O Governo britânico rejeitou o pedido do Equador para conceder estatuto diplomático ao fundador do portal WikiLeaks, noticiaram hoje vários meios de comunicação social.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico recusou o pedido e lembrou a Quito que a única solução é Julian Assange entregar-se à justiça, de acordo com a informação divulgada nas edições digitais de vários 'media'. O estatuto diplomático permitiria a Julian Assange abandonar a embaixada equatoriana em Londres, onde vive há mais de cinco anos.

De acordo com uma fonte do Foreign Office, citada pelo jornal The Guardian, "o governo do Equador solicitou recentemente o estatuto diplomático para Assange", mas "o Reino Unido não atendeu a esse pedido" e Londres "nem sequer se encontra em conversações com o Equador sobre esse assunto".

"O Equador sabe que a forma de resolver este problema é Julian Assange abandonar a embaixada para enfrentar a justiça", acrescentou a mesma fonte ao jornal.

Por seu lado, o The Times, também na edição digital, assegurou que o fundador do WikiLeaks "recebeu um passaporte e documentos de identidade equatorianos, alimentando a especulação de que em breve podia ser transferido da embaixada em Londres".

O diário também deu conta do "não" do Governo britânico ao pedido de Quito de conceder estatuto diplomático ao australiano.

Meios de comunicação social do Equador escreveram, na terça-feira, que Assange tinha recebido um documento de identidade equatoriano, mas a diplomacia do país não confirmou a informação.

Nesse mesmo dia, a ministra dos Negócios Estrangeiros equatoriana, María Fernanda Espinosa, afirmou que os rumores relativos à possibilidade de ser concedida nacionalidade equatoriana a Julian Assange "não mereciam nem os comentários nem as opiniões" da diplomacia, ainda mais tratando-se de um assunto "tremendamente delicado" que se aborda de forma bilateral com o Reino Unido.

Julian Assange refugiou-se na embaixada do Equador em Londres em junho de 2012 para escapar ao mandado de detenção europeu emitido pela Suécia, na sequência de acusações de violação, as quais sempre negou, alegando que as relações sexuais com a queixosa foram consentidas.

O mandado foi retirado em maio do ano passado, depois de a procuradoria sueca ter anunciado o abandono do processo por violação contra o fundador do WikiLeaks, encerrando uma saga judicial que durava desde 2010.

Apesar da decisão da procuradoria sueca, Assange continua na representação diplomática por receio de ser detido pelas autoridades britânicas e deportado para os Estados Unidos, onde pode ser julgado pela publicação de documentos militares e diplomáticos confidenciais.

O site 'WikiLeaks', lançado em 2006, tornou-se conhecido por divulgar vídeos do exército norte-americano em Bagdad, no Iraque, e depois por tornar públicos relatórios confidenciais das Forças Armadas norte-americanas sobre a guerra no Afeganistão e no Iraque.

No entanto, é com a divulgação, em finais de novembro de 2010, de milhares de telegramas diplomáticos norte-americanos que Julian Assange e o seu sítio na Internet se tornam definitivamente num alvo para a administração norte-americana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)